Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Aumentos da função pública só para o escalão mais baixo

A redução de pessoal na função pública fez-se sentir de forma marcada entre os professores.

FOTO MIGUEL A. LOPES/LUSA

Governo propõe aumento do salário mínimo da administração pública de 580 para 635 euros. É "um importante sinal para o setor privado" mas fecha a porta a acréscimos salariais para os restantes trabalhadores do Estado

O Ministério das Finanças concretizou, finalmente nesta sexta feira, a proposta de aumentos salariais para os funcionários públicos a vigorar a partir de janeiro. Na prática, o Governo propõe um acréscimo de 55 euros no escalão mínimo de vencimentos no Estado (dos atuais 580 para os 635 euros). Todos os restantes funcionários públicos ficarão sem aumentos salariais.

A proposta oficial foi dada a conhecer aos sindicatos da Administração Pública, depois de meses de negociação sem uma proposta em cima da mesa. Ana Avoila, da Frente Comum, recusa estar perante uma solução. "Não há aumentos da função pública. O Governo limitou-se a fazer aquilo a que estava obrigado: aumentar o salário mínimo", disse à saída do encontro com os representantes das Finanças.

O Governo alega que se trata de uma "solução politicamente responsável" uma vez que "não estava prevista no programa do Governo" e representa um acréscimo de 50 milhões de euros ao impacto orçamental das medidas adoptadas para reforço da massa salarial da Administração Pública.

As negociações para fechar este dossiê prosseguem já na próxima terça-feira.