Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

José Silvano: “Sou eu que reclamo que a PGR abra uma investigação”

Nuno Botelho

Secretário-geral do PSD diz que “legalmente e eticamente nada há apontar” em relação à sua vida parlamentar e saúda uma investigação da Procuradoria-Geral da República sobre as falsas presenças assinaladas no Parlamento

O secretário-geral do PSD, José Silvano, reafirmou esta quinta-feira que não pediu a ninguém para assinalar a sua presença na Assembleia da República e congratulou-se com a análise das suspeitas sobre o caso por parte da Procuradoria-Geral da República.

“Sou eu próprio que reclamo publicamente que a PGR abra um processo de investigações se este processo não ficar esclarecido”, afirmou José Silvado na sede do partido, numa declaração à comunicação social para anunciar que não se demite.

Assumindo-se como um “homem honrado”, o secretário-geral do PSD disse que nunca ninguém lhe “apontou qualquer irregularidade” ao longo de 30 anos de vida pública. “Legalmente e eticamente nada há apontar. Não registei a minha presença, não mandei registar a minha presença, não auferi vantagem monetária”. No entanto, “dada a dimensão mediática que este episódio atingiu sou que que quero que seja tudo investigado”, insistiu.

Foi no passado sábado que o Expresso avançou que José Silvano validou a sua presença em plenário no dia 18 de outubro – de acordo com o registo oficial das sessões plenárias do Parlamento –, mas nessa quinta-feira encontrava-se na verdade em Vila Real em reuniões ao lado de Rui Rio. Também no dia 24 de outubro, a presença do deputado do PSD foi validada na AR, mas nessa altura José Silvano encontrava-se em Santarém.

Em declarações ao Expresso, José Silvano admitiu que não esteve presente nesse dia no Parlamento e que vai muitas vezes a plenário “quase só” marcar o ponto. E a situação voltou a repetir-se esta quarta-feira quando o secretário-geral do PSD assinou a folha de presença da comissão eventual para a Transparência, mas não esteve presente na reunião.

Apesar da polémica, o presidente do PSD, Rui Rio, desvalorizou a situação, garantindo que mantém a confiança política em José Silvano.