Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rio sobre as faltas de Silvano: “As minhas palavras não são como os iogurtes”

NUNO VEIGA/LUSA

Rui Rio mantém a confiança e o que disse sobre José Silvano e o caso das falsas presenças do secretário-geral e deputado do PSD nas sessões plenárias no Parlamento. Em Helsínquia, o líder dos sociais-democratas escusou-se a fazer mais comentários sobre o caso “enquanto não mudarem as circunstâncias"

O presidente do PSD recorreu esta quarta-feira a uma figura de estilo para evitar mais comentários sobre o caso que envolve o secretário-geral do partido e as falsas presenças em duas sessões plenárias de outubro, na Assembleia da República.

Questionado sobre se mantém a confiança política em José Silvano ou se pretende afastá-lo do cargo, Rui Rio preferiu remeter para o que já disse. "As minhas palavras não são como os iogurtes que têm uma validade de trinta dias. As minhas palavras têm uma validade prolongada, só se alteram quando se alteram as circunstâncias. Tudo o que disse sobre isso ontem ou anteontem está válido", afirmou Rio aos jornalistas em Helsínquia, à entrada para o Congresso do Partido Popular Europeu em que participa.

O líder dos sociais-democratas não muda uma vírgula ao que na segunda-feira considerou ser "uma pequena questiúncula", que "não belisca o PSD" nem fragiliza o deputado.

Esta terça-feira, o Presidente da Assembleia da República confirmou que alguém utilizou a password de Silvano e "picou o ponto" na vez do deputado, que estava a vários quilómetros de distância de Lisboa. O comunicado de Ferro Rodrigues desmente ainda um dos álibis do secretário-geral do PSD.

José Silvano explicou que tinha a mesma password há três anos, o que poderia justificar que mais alguém tivesse conhecimento dela. Mas de acordo a comunicado, "todos os deputados renovaram, no passado mês de julho, a respetiva password"

Mas para Rui Rio, o que disse Ferro Rodrigues não parece ter alterado "as circunstâncias". Questionado pelos jornalistas sobre se o caso das falsas presenças é compatível com "o banho de ética" que defendeu na campanha para a liderança do partido, limitou-se a dizer que "já está tudo respondido" e a remeter para a metáfora do iogurte.

Na terça-feira, em comunicado, também José Silvano reagiu, recusando qualquer aproveitamento do dinheiro público. O deputado do PSD não explica como é que a sua password foi usada por outros, mas garante que tem direito às ajudas de custos relativas aos dias 18 e 24 de outubro, mesmo não tendo estado no plenário.

“No dia 18 de outubro, assinei o livro de presenças da reunião do Grupo Parlamentar do PSD, ocorrida nessa manhã, o que confere o direito ao pagamento da senha desse dia. Quanto ao dia 24, pelas 10:00, presidi à reunião da 1.ª Comissão no Parlamento, o que, só por si, conferia também direito à senha de presença respetiva”, justifica.