Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

José Miguel Júdice abandona a TVI

Não se adaptou à TV generalista, quis voltar ao cabo, mas desistiu. “Eu não me quero adaptar”, disse ao Expresso

José Miguel Júdice deixou a TVI. Resistiu às mudanças que lhe foram sugerindo, discorda da “atual dinâmica das televisões”, e numa altura em que a estação tinha tudo a postos para passar o seu programa de comentário semanal da generalista para o cabo, Júdice decidiu sair. “Podia ter-me adaptado. Mas não me quero adaptar”, disse ao Expresso.

Nos dois anos em que se manteve na estação — um na TVI24 e outro na generalista — Júdice diz que fidelizou “uma média de um milhão de espectadores” e que “sair assim é como morrer jovem”. Mas confessa que, pelo caminho, teve embates “amigáveis” com a direção da TVI. O seu formato era tratar dois temas com alguma profundidade. “Se o programa se chamava ‘Porquê’ não era para pegar as coisas pela rama, era para relacionar, dar a perspetiva histórica”, explica. “E eles queriam um programa mais partido, três ou quatro temas, diziam-me que a TV generalista é isso”. Aliás, é o que Miguel Sousa Tavares vai fazer às segundas-feiras na TVI.

Para ter mais tempo, Júdice pediu em junho para voltar ao cabo, onde se poderia estender por 20 minutos. E estava tudo pronto, layout do programa e campanha publicitária, quando a ameaça do futebol — “Nunca se sabe se quando há um jogo não muda tudo” — o levou a pensar. Na quarta-feira, depois de uma conversa com o diretor da estação, Sérgio Figueiredo, Júdice desistiu. Diz que nunca teve “a mais pequena razão de queixa”, mas o seu estilo é outro: “Não sou obcecado pela atualidade, não quero dar choques elétricos às pessoas, não gosto de tratar coisas pela rama e prefiro sair daquela coisa dos dois minutos”. Sérgio Figueiredo confirma que a transmissão da Champions “introduz instabilidade na grelha”, mas a TV “é o que é”. Lamenta a saída, garante que a coincidência com a entrada de Sousa Tavares é “só coincidência” — “JMJ quis voltar ao cabo em junho” — e vai chamar Júdice para os telejornais: “Ele vai continuar connosco”.