Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Tancos: investigador da PJM garante que Azeredo Lopes soube do encobrimento. Ministro desmente

Ministro da Defesa, Azeredo Lopes

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Major Vasco Brazão assegurou ao juiz de instrução do caso Tancos ter dado conhecimento a Azeredo Lopes da encenação montada na Chamusca mais de um mês após a recuperação do arsenal, apurou o Expresso. Ministro da Defesa nega ter tido qualquer conhecimento

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Joana Pereira Bastos

Joana Pereira Bastos

Editora de Sociedade

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista de Sociedade

No final do ano passado, e já depois das armas terem sido recuperadas, o major Vasco Brazão, investigador da Polícia Judiciária Militar (PJM), e o diretor daquela polícia, coronel Luís Vieira, deram conhecimento ao ministro da Defesa da encenação montada em conjunto com a GNR de Loulé em torno da recuperação das armas furtadas nos paióis de Tancos: isso mesmo garantiu esta terça-feira ao juiz de instrução o major Vasco Brazão, durante o interrogatório de oito horas no Campus da Justiça.

Confrontado pelo Expresso, o ministro da Defesa recusou-se a comentar a informação dada por Vasco Brazão ao tribunal, invocando o segredo de justiça. Contudo, questionado pelo nosso jornal sobre se foi ou não informado da operação de encobrimento na recuperação das armas de Tancos, o ministro da Defesa respondeu categoricamente que "não". Nem antes dessa operação ter sido realizada, em outubro, nem depois dela, no final do ano de 2017.

De acordo com fontes do processo, Vasco Brazão garantiu no tribunal ter entregue pessoalmente no final do ano um memorando com a explicação de toda a operação ao chefe de gabinete de Azeredo Lopes, acrescentando que o chefe de gabinete contactou telefonicamente o ministro, à frente dos dois militares da PJM, para o informar da situação. De acordo com o depoimento de Vasco Brazão no Tribunal de Instrução Criminal, o chefe de gabinete e o ministro não teceram comentários sobre aquela informação nova, limitando-se a registar o caso.

Em outubro do ano passado, o grupo de cinco militares da PJM e três da GNR de Loulé combinou com um dos presumíveis autores do furto a entrega das armas, comprometendo-se em contrapartida a não informar a Polícia Judiciária e o Ministério Público daquela operação. Para isso, montaram uma operação de encobrimento, transportando as armas do terreno onde estavam escondidas, na propriedade de familiares do suspeito, para um baldio na Chamusca.

Na manhã de 18 de outubro, a PJM divulgou um comunicado anunciando a recuperação das armas e informando que a mesma se devera a uma chamada anónima para o piquete da PJM.

Na última semana foram todos constituídos arguidos na Operação Húbris, da PJ e do DCIAP. O coronel Luís Vieira ficou em prisão preventiva, assim como o suspeito do furto, João Paulino. O major Vasco Brazão encontra-se em prisão domiciliária enquanto os restantes arguidos saíram em liberdade com suspensão de funções.

Saiba mais informações sobre esta investigação amanhã no semanário Expresso, que esta semana é publicado sexta feira, feriado.