Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo responde a Cavaco e insinua falta de "sentido de Estado"

José Coelho/ Lusa

Atual Presidente da República sugeriu que o seu antecessor não revelou sentido de Estado quando afirmou, na quarta-feira, que a decisão de não recondução de Marques Vidal era “algo muito estranho”

Marcelo Rebelo de Sousa respondeu nesta quinta-feira à crítica que lhe foi dirigida por Cavaco Silva a propósito da não recondução de Joana Marques Vidal no cargo de procuradora geral da República e da nomeação de Lucília Gago.

O atual Presidente da República sugeriu que o seu antecessor não revelou sentido de Estado quando afirmou, na quarta-feira, que a decisão de não recondução de Marques Vidal era "algo muito estranho" perante a competência com que a procuradora cessante desempenhou as funções e o contributo "decisivo" que deu para a credibilidade do Ministério Público. Cavaco chegou a declarar que se tratou da decisão "mais estranha" da geringonça.

Na resposta, em declarações feitas nesta quinta-feira, Marcelo disse que a nomeação dos procuradores-gerais da República é uma competência dos Presidentes e não dos governos, pelo que assumiu que a escolha de não reconduzir Joana Marques Vidal e nomear Lucília Gago foi uma decisão sua e "de mais ninguém". Posto isto, Marcelo concluiu que o que Cavaco pretendia dizer era que se tinha tratado da decisão mais estanha do seu mandato e não da geringonça.

O Presidente acescentou, também, que o seu entendimento é o de que não deve comentar ex-Presidentes e que, uma vez terminado o seu mandato, não comentará futuros Chefes de Estado "por uma questão de cortesia e de sentido de Estado". Marcelo garantiu que não irá afastar-se desta orientação.