Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Taxistas de várias cidades juntam-se ao protesto em Lisboa

AFP/Getty

Taxistas de Aveiro, Leiria, Coimbra e Águeda juntaram-se este domingo de manhã aos colegas de Lisboa, na Praça dos Restauradores, onde foram recebidos com aplausos e palavras de ordem, no protesto contra a lei das plataformas de transporte

Taxistas de Aveiro, Leiria, Coimbra e Águeda juntaram-se este domingo de manhã aos colegas de Lisboa, na Praça dos Restauradores, onde foram recebidos com aplausos e palavras de ordem, no protesto contra a lei das plataformas de transporte.

Pelas 11:30, mais de uma dezena de táxis oriundos principalmente daquelas cidades, mas também de Ovar e Marinha Grande, desceram a Avenida da Liberdade, escoltados pela polícia, em direção à Praça dos Restauradores, onde os colegas de Lisboa, paralisados naquela zona da cidade há cinco dias, os receberam em festa.

"Costa, urgente, ouve o presidente", "nem um passo atrás", "somos táxi" e "a união que nos faz lutar é a união que nos faz vencer" foram as palavras de ordem que se fizeram ouvir à chegada dos taxistas vindos de outras cidades.

Dezenas de taxistas reunidos na praça central aplaudiram a chegada dos colegas, que acenavam pela janela, enquanto aqueles que se mantinham junto aos seus carros ao longo da avenida buzinavam à sua passagem.

Estes foram os primeiros de muitos outros taxistas de várias zonas do país que se deverão juntar ao protesto em Lisboa, disse à Lusa, no local, Florêncio Almeida, dirigente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Segundo o responsável, por volta das 14:00 são esperados cerca de 40 táxis vindos da zona de Oeiras e na segunda-feira está previsto que mais de 60 da margem sul se juntem ao protesto na capital.

Florêncio Almeida considera que, ao quinto dia consecutivo de protesto, a mobilização que está a paralisar táxis em Lisboa, Porto e Faro mostra a força destes profissionais e a sua determinação em não recuar até terem uma proposta concreta que inviabilize a entrada em vigor (prevista para 01 de novembro) da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

"O primeiro-ministro tem de nos arranjar um interlocutor que nos ofereça alguma coisa, porque o ministro [do Ambiente, que tutela os transportes] em vez de nos acalmar, só tem vindo a incendiar mais os ânimos", disse.
Florêncio Almeida explica esta sua afirmação com as declarações do ministro no parlamento, segundo as quais "já foram resolvidos vários problemas do setor".

"Não resolveu um único assunto", afirmou, acusando-os o governante de "má fé" e de se ter "vendido às plataformas".
Ao longo da avenida da Liberdade, os taxistas que estão há cinco dias de pedra e cal junto aos táxis têm, aos poucos, transformado a zona numa extensão da casa.

Hoje, um pouco por todo o lado, era possível ver familiares de taxistas que se lhes juntaram, mesas abertas à sombra de árvores, onde alguns conversavam, outros comiam e outros, ainda, jogavam às cartas.

Muitos táxis mantinham-se com a porta da bagageira aberta, a funcionar como toldo e até colchões foram levados para o local: na Praça dos Restauradores, à sombra da estátua, dois colchões estendidos serviam de sofá para alguns taxistas se sentarem, encostarem e até dormirem.

As associações de taxistas foram recebidas no sábado pelo chefe da Casa Civil da Presidência da República, e decidiram manter o protesto, até serem recebidos pelo primeiro-ministro.

Depois do encontro, a delegação de representantes dos taxistas, encabeçada pelos presidentes da ANTRAL, Florêncio de Almeida, e da Federação Nacional do Táxi, Carlos Ramos, entregou uma carta no gabinete do primeiro-ministro no Terreiro do Paço, em Lisboa, a pedir uma intervenção com urgência para resolver as suas reivindicações.

Para segunda-feira, às 15:00, está marcada uma vigília junto à residência oficial do primeiro-ministro, provisoriamente deslocada para a Praça do Comércio, enquanto decorrem obras em São Bento.

  • Taxis vão ficar parados nas avenidas - e à porta de António Costa

    Taxistas querem ser recebidos por António Costa. Até lá vão continuar parados em protesto contra a entrada em vigor, a 1 de novembro, do diploma que regula as plataformas digitais de transportes, Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé. A decisão foi tomada após uma reunião em Belém, hoje à tarde