Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Está escrito nas estrelas: o mapa astral da Aliança de Santana

Mapa astral: a Aliança é de signo Virgem, com ascendente em peixes

ilustração tiago pereira santos

A Aliança, o novo partido de Pedro Santana Lopes, nasce esta quarta-feira com a entrega no Tribunal Constitucional das mais de 7.500 assinaturas necessárias. Estava escrito nas estrelas, costumava dizer o ex-enfant terrible do PSD, a quem Durão Barroso um dia comparou a “uma espécie de Zandinga ...”. O perfil astrológico da Aliança, que se apresenta sob o signo Virgem, vê “um futuro marcado pela acutilância e pela ação certeira”, com riscos de “alguns excessos e falta de concretização”. Não lhe faltará “capacidade de avançar sem medo”. Adivinhe, qual a maior compatibilidade astrológico dos nativos em Virgem: é com Touro, o signo do PSD

A Aliança nasce oficialmente às 16h00 do dia 19 de setembro de 2018, sob o signo Virgem e tendo Peixes como ascendente. O seu fundador, Pedro Santana Lopes, partilha com Marcelo Rebelo de Sousa um certo providencialismo: ambos acreditam em sinais. E todos se lembram de ouvir Santana dizer em momentos-chave que “estava escrito nas estrelas”. Mesmo que as estrelas se enganem, não parecem estar a anos-luz do contexto político.

A Aliança propõe-se ser um símbolo de agregação e capacidade de fazer pontes entre projetos diferentes (a “geringonça” das esquerdas fez escola) e surge sob Virgem, “um signo dedicado aos outros e ao serviço em prol do bem comum, tendo Peixes como ascendente, um signo caraterizado pela empatia e pela sensibilidade”. Um perfil astrológico da Aliança, feito pela astróloga Maria Helena, colaboradora da SIC, vê à partida uma “harmonia” entre os signos do novo partido (Virgem) e do seu fundador (Caranguejo). Este último traz as ideias e a criatividade que Virgem materializa e a que lhe dá consistência.

Aconteça o que acontecer, o que os astros não prevêem é que Pedro Santana Lopes esteja a esgotar a sua sétima vida com a Aliança. “Independentemente das dificuldades que possam surgir no seu caminho, este Virgem com ascendente Peixes nunca se deixa abater e tem uma certa facilidade em superar os obstáculos, reerguendo-se como se nada tivesse acontecido”. A realidade, ao longo de 40 anos, tem dado razão a esta perceção. Resta saber se resiliência passa do líder para o novo partido.

ana baião

Servir o bem comum

se é verdade que o que sempre motivou Santana Lopes foi o poder, não é menos verdade que a disponibilidade que mostrou para combater em momentos difíceis em nome do PSD esmagou qualquer média. Foi chefe de gabinete, deputado, secretário de Estado, ministro, primeiro-ministro, líder do partido, e por mais do que uma vez agarrou causas que ninguém queria. Desafiaram-no para a difícil câmara da Figueira da Foz, feido histórico do Partido Socialista e Santana foi e ganhou. Quando estava na Figueira, Durão Barroso pediu-lhe que aceitasse o desafio de disputar Lisboa a João Soares, e Santana, depois de muito resistir, aceitou e ganhou. E estava comodamente em Lisboa quando Durão partiu para Bruxelas e pediu-lhe que ficasse com o Governo. Santana aceitou e perdeu. Na despedida do PSD para fundar a Aliança, acusou o seu partido de sempre de ingratidão.

Agilidade

“Com Mercúrio, o planeta que governa o intelecto e que é o regente de Virgem, alinhado em conjunção ao Sol no mesmo signo, auspicia-se um futuro marcado pela acutilância e pela ação certeira, por uma análise ágil e inteligente dos factos e com a facilidade em fazer uso da palavra para veicular ideias e agitar o panorama político nacional”. É um dos retratos possíveis de Santana Lopes e, por osmose, da Aliança. Vem aí o jet set, dizia em 2004 António Capucho quando, com uma frase ácida, tentou resumir o corropio dos media ao verem Santana entrar no Congresso do PSD. Mas mais do que o jet set, os jornalistas sabiam que acabava de entrar o político que cheira como poucos os vazios por preencher, os momentos para atacar, e que fez da tentação de agitar o panorama político uma das sua maiores vertigens. Trocar o PSD pela Aliança é isso. Não há mais agilidade do que, aos 62 anos, deixar de ser um senador do seu partido para começar a disputar os votos a partir de baixo.

ana baião

Rigor e sonho

“O Sol e Mercúrio em Virgem conferem rigor e objetividade, pois este signo de Terra atua com base em dados concretos”, projeta Maria Helena. Santana perdeu o PSD para Rio por uma curta desvantagem. Ainda se deixou levar pela jogada do adversário que o tentou manter no barco. Mas foi rigoroso na análise: o partido ia entrar em convulsão e o seu papel seria nulo; nem poderia voltar a disputar a liderança, nem poderia ficar agarrado ao acordo que firmara com o líder. Quando fez o programa do novo partido, não inventou: foi buscar as ideias que tinha apresentado como candidato à liderança do PSD e outras que nunca conseguiu pôr em prática. Santana sempre foi um sonhador e sempre o assumiu. O problema por vezes é tornar o sonho em realidade. “Porém, o ascendente em Peixes, o romântico e sonhador signo de Água, pode induzir a alguns excessos e falta de concretização, embora traga uma facilidade de criar empatia com as pessoas”, diz Maria Helena. Quanto a empatia, o socialista João Soares, que viu Santana tirar-lhe Lisboa, um dia disse tudo - “Santana tem mel”. É um dos seus principais trunfos, aliado ao mediatismo. Quanto a excessos e falta de concretização, basta lembrar como aceitou ficar primeiro-ministro sem ir a votos, obrigado a fazer um Governo à pressa, um discurso de posse em cima do joelho e quatro meses de governação em clima de montanha russa. O próprio reconheceu que errou por ter aceitado o cargo sem a legitimidade do voto. Anos antes, ensaiou uma disputa com Marcelo Rebelo de Sousa no Congresso que levaria Marcelo a líder. Mas viu que não tinha condições e recuou. Conseguiu contrariar essa característica da falta de concretização na CML: conseguiu levar até ao fim o tão criticado Túnel do Marquês em Lisboa. Hoje é quase consensual.

ana baião

Sem medo

“A Lua em Capricórnio acrescenta-lhe a capacidade de se distanciar de críticas e avançar sem medo da oposição, enquanto que Marte, o planeta das lutas, se encontra em Aquário, marcando a sua posição de independência e individualidade”. Eis um traço unanimememte reconhecido a Santana Lopes: não ter medo de arriscar nem de perder. É isso que soma na sua longa carreira política de vitórias e derrotas quase em pé de igualdade.

Proximidade das pessoas

“O partido Aliança terá, pois, a vontade firme de se mostrar como uma alternativa política, com ideias próprias, bem consolidadas, cuidadosamente ponderadas e com uma postura que se demarca dos demais pela proximidade com as pessoas e pelo fervor apaixonado com que investe nas suas iniciativas”. Demarcar-se dos demais pela proximidade com as pessoas é a imagem de marca de Marcelo Rebelo de Sousa. Haverá espaço para dois?

ana baião

Compatível, incompatível

“O Partido Aliança, nascido sob o signo Virgem, é - coincidência ou não - compatível com o PSD, um partido que nasceu sob o signo Touro, sendo ambos pertencentes ao elemento Terra. No fundo compreendem-se bem porque têm uma natureza semelhante”. Confirma-se: para o eleitorado social-democrata, passa a haver uma nova escolha? É uma das incógnitas do ano aleitoral que aí vem. Quantos votos conseguirá Santana roubar a Rio?

“A Aliança também é compatível com o CDS, que foi criado sob a influência de Caranguejo e que não lhe apresentará desafios”. Santana dá-se muito bem com Assunção Cristas e aposta na Aliança para ajudar a engrossar uma maioria de centro-direita. Como somar e disputar ao mesmo tempo o mesmo eleitorado, eis o dilema? Especialistas em sondagens chamam-lhe mesmo quadratura do círculo.

“Terá mais atritos com o PS, um partido nascido sob o fogoso signo Carneiro, com quem se prevêm embates. o BE, que tal como o PS nasceu sob Carneiro, poderá ser um osso bem duro de roer”. Bate certo: Santana propõe-se combater em força António Costa e a sua geringonça.

“Já o PCP, que é de signo Peixes, está diametralmente oposto no Zodíaco, mas não causará atritos que o incomodem”. Santana acha graça a Jerónimo de Sousa e não sonha entrar no eleitorado comunista. E vice-versa.

Os astros não auguram milagres. O partido Virgem segue dentro de momentos.