Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ministro diz que há quem critique o SNS para o “desgastar” e “privatizar”

Adalberto Campos Fernandes durante a intervenção na cerimónia na rega da “Oliveira SNS” para assinalar o Dia do Serviço Nacional de Saúde, e homenagear António Arnaut. A árvore, que cresce desde 2009 no Parque Verde do Mondego, foi plantada por iniciativa da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra

PAULO NOVAIS / Lusa

Custa muito mais defender o Serviço Nacional de Saúde reformando-o “por dentro, dentro da esfera pública, como ele tem de ser”, do que “passar tudo para fora e, como um passe de mágica, criar um SNS a duas ou a três velocidades, em que os mais pobres ficarão seguramente muito pior defendidos”, sustenta Adalberto Campos Fernandes, ministro da Saúde

O ministro da Saúde disse este sábado, em Coimbra, que há quem critique "todos os dias" o Serviço Nacional de Saúde (SNS) para o desgastar e depois apresentar propostas que visam desistir da sua reforma enquanto serviço público e privatizar.

"Não temos os problemas todos resolvidos", reconheceu o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que falava aos jornalistas hoje, ao princípio da noite, em Coimbra, à margem de uma sessão comemorativa do 39.º aniversário do SNS.

"Todos os dias [o SNS] é um desafio e, portanto, o que é preciso é fazer política com humildade, mas também não ter ilusões de que há pessoas que todos os dias atacam o SNS apenas e só para o desgastar para depois aparecerem propostas como as que vimos a semana passada", sustentou.

Com essas propostas, "num quadro de resignação política", esses críticos pretendem, "no fundo, desistir da reforma do SNS por dentro da sua função de serviço público para depois poder privatizar", acrescentou.

Mas "nós continuamos com muita determinação, com muita exigência, sobretudo falando com os portugueses", que "sabem o que estamos a fazer pelo país e aquilo que temos de fazer", assegurou Adalberto Campos Fernandes.

A crítica "é necessária e é bem-vinda", mas "é preciso ver qual é a natureza da crítica, porque quem nunca tem uma palavra para com aquilo que corre bem –que é felizmente a maioria das coisas –, quem tem uma estratégia de desgaste diária, [para dar] a ideia que existe uma degradação do serviço", quer, "provavelmente, abrir espaço e caminho para que, depois, apareçam propostas políticas que naturalmente digam que a função do SNS de natureza pública não funciona e o melhor será privatizar", afirmou.

"Nós não vamos por aí", garantiu o ministro, sublinhando que ele o Governo querem "um SNS que honre o espírito do seu fundador", António Arnaut (que hoje também foi homenageado em Coimbra, durante a mesma sessão), e que "respeite a Constituição da República Portuguesa", sublinhou.

Custa muito mais defender o SNS reformando-o "por dentro, dentro da esfera pública, como ele tem de ser", do que "passar tudo para fora e, como um passe de mágica, criar um SNS a duas ou a três velocidades, em que os mais pobres ficarão seguramente muito pior defendidos", afirmou Adalberto Campos Fernandes.

"Não é um lamento", mas este Governo recebeu "um SNS que estava exausto, exaurido em termos de investimento, com necessidade de recursos humanos e de investimento – que são reconhecidos" e "temos de estar todos os dias a fazer um esforço para reconstruir esse património", esse "serviço que os portugueses tanto apreciam", disse o ministro da Saúde, sublinhando que "finalmente, no último ano da [atual] legislatura" a saúde terá o maior orçamento de sempre.

  • Bastonário dos Médicos diz que “se SNS não for sustentável a democracia também não será”

    Miguel Guimarães diz que a Ordem “continuará a honrar” o legado de António Arnaut, “pai” do Serviço Nacional de Saúde, defendendo as três características essenciais do SNS: “equidade no acesso, solidariedade (garantindo com o pagamento dos nossos impostos que quem ganha menos paga menos, mas que, na altura em que precisamos, os cuidados de saúde, estão disponíveis para todos de igual forma) e o respeito pela dignidade humana, dos doentes, mas também dos profissionais”

  • SNS: grito de alerta

    Na altura em que o Serviço Nacional de Saúde faz 39 anos, o bastonário da Ordem dos Médicos faz um alerta e um apelo ao primeiro-ministro, para evitar o colapso do mais importante serviço público nascido do 25 de Abril, criado no dia 15 de setembro de 1979