Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem. 69% dos portugueses estão contra exigências dos professores

Tiago Miranda

Estudo de opinião da Eurosondagem mostra que portugueses não estão solidários com a classe. E não acreditam que sindicatos cheguem a acordo com o Governo para fazer a recontagem do tempo de serviço que ficou congelado

Os professores continuam a exigir que o Governo aceite contar, para efeitos de progressão e aumentos salariais, todos os anos de serviço que ficaram para trás, durante os anos de congelamento das carreiras. Mas, de acordo com o estudo de opinião conduzido pela Eurosondagem para o Expresso e a SIC, não contam com o apoio da maior parte dos portugueses.

O estudo, elaborado entre os dias 5 e 12 de setembro, mostra uma tendência clara: para 69% dos inquiridos, o Governo não deve aceitar a exigência dos docentes, que querem os nove anos, quatro meses e dezoito dias contados de forma integral. Apenas 19,4% dos inquiridos dá razão aos professores.

Os resultados do estudo são conhecidos no final de uma semana agitada para os docentes. A divulgação por vários jornais do relatório da OCDE Education at Glance não foi uma boa notícia: o retrato da classe feito no documento é pouco abonatório para a causa, descrevendo os professores como um grupo envelhecido e bem pago. Na mesma altura, o ministério das Finanças revelou que o descongelamento da carreira docente (sem contar com a contagem do tempo que ficou para trás) já representa um quarto dos custos com esse processo na Função Pública. Os sindicatos vieram imediatamente desmentir os números, acusando o Governo de tentar manipular a opinião pública contra os professores e de lhes tirar força para as negociações.

Na quarta-feira, ficou ainda mais claro que, até ver, não haverá acordo possível entre os sindicatos e o Governo: isso mesmo garantiram o líder da FENPROF, Mário Nogueira, e o primeiro-ministro, António Costa, durante uma espécie de debate improvisado captado pelas televisões em Paredes de Coura. A interpretação da maior dos portugueses é a mesma: 56,4% indicaram "não acreditar" num entendimento entre o Governo e os sindicatos.

A intenção do Governo passa agora por avançar com uma decisão unilateral e publicar um decreto-lei que estabelecerá a recontagem de apenas dois anos e dez meses do tempo de serviço. Uma proposta que os docentes consideram curta, fazendo questão de relembrar que no ano passado, após negociações com o Governo e pressão dos parceiros de esquerda no Parlamento, a recontagem do tempo de serviço chegou a ficar inscrita no Orçamento do Estado para este ano. No entanto, a formulação escolhida foi ambígua e tem levado o Governo a defender que apenas prometeu que haveria abertura para negociar com os sindicatos, sem nunca garantir a recontagem integral.

Ficha técnica

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 5 a 12 de Setembro de 2018. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte – 19,8%; A.M. do Porto – 14,2%; Centro – 29,2%; A.M. de Lisboa – 26,8%; Sul – 10,0%), num total de 1.008 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1.170 tentativas de entrevistas e, destas, 162 (13,8%) não aceitaram colaborar Estudo de Opinião. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino – 51,6%;0 Masculino – 48,4%) e, no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 30 anos – 16,8%; dos 31 aos 59 – 51,6%; com 60 anos ou mais – 31,6%). O erro máximo da Amostra é de 3,09%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.