Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“O tempo revelou que tinha toda a razão”. Rui Moreira satisfeito com retoma de investimento da TAP no Porto  

rui duarte silva

Rui Moreira diz que, finalmente, a TAP concluiu que vale a pena apostar no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e no mercado do Porto e Norte. Autarca não quer, contudo, repisar erros passados do anterior presidente executivo da transportadora de bandeira nacional

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

O presidente da Câmara Municipal do Porto afirmou, esta segunda-feira, que é com satisfação que viu o presidente executivo da TAP anunciar, em entrevista ao Expresso publicada no sábado passado, que a transportadora vai “voltar em força ao Aeroporto do Porto”. Rui Moreira refere que Antonoaldo Neves teve o cuidado de o avisar das novas rotas para 2019, entre as quais as ligações a partir do Porto para Bruxelas, Lyon e Munique, além do reforço dos voos de três para seis por semana para Nova Iorque e da reformulação da ponte aérea Porto-Lisboa.

Embora lembre que o tempo lhe deu “toda a razão” quando criticou a administração da TAP por desinvestir e cortar rotas e voos ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, titulando a TAP de transportadora aérea da Portela, o autarca prefere olhar para a frente, até porque, sublinha, não foi o atual presidente a optar pela estratégia de cortes.

“O importante é que a TAP concluiu que vale a pena apostar na região, reconhecendo que o Aeroporto do Porto também é interessante para a TAP”, adianta Moreira, que não quis comentar a afirmação de Antonoaldo Neves, presidente executivo da transportadora desde fevereiro, que “a TAP deu um passo atrás para dar dois em frente”, ao reduzir a operação no aeroporto Sá Carneiro, deslocando aviões para Lisboa, decisão justificada por não haver dinheiro para pagar à ANA, para pagar combustível e salários até à injeção de capital após a privatização.

Este domingo, a direção do 'Porto, o Nosso Movimento', a associação cívica apoiante do autarca independente reagiu à entrevista ao Expresso em comunicado, frisando que, dois anos depois, a companhia "reconhece que não cumpre os seus objectivos”.

“Tal decisão mostra que Rui Moreira tinha razão quando há dois anos levantou a sua voz pelo facto de uma companhia de bandeira, detida a 50% pelo Estado, estivesse sucessivamente a abandonar as suas obrigações de serviço público, prejudicando o país. Disse também, e também tinha razão, que o próprio Aeroporto de Lisboa sofreria com esta política centralista, esgotando mais rapidamente a sua capacidade”, adianta a missiva.

A Associação liderada por Francisco Ramos, antigo líder do PSD/Porto, recorda que Rui Moreira foi, então, apelidado de ser bairrista, mas que o tempo “muito rapidamente” encarregou-se de demonstrar que “ele não apenas defendia a sua cidade e a sua região com coragem e razão, como defendia, afinal, o funcionamento e eficiência da TAP, do sistema aeroportuário nacional e, consequentemente, do país”.

A reversão do abandono do Porto por parte da TAP é, por isso, considerada “bem-vinda”, embora a Associação 'Porto, o Nosso Movimento' alerte para que este exemplo não seja esquecido em relação a tantos "outros exemplos de decisões centralistas que a nomenclatura da capital procura justificar com critérios de eficiência e necessidades financeiras, mas que no fim do dia prejudicam esses mesmos objectivos, com prejuízo para todo o país".

Em conclusão, o movimento independente frisa que, sempre que o Estado emagrece fora de Lisboa, "é o país que perde e é a capital que acaba, também, prejudicada, como escreveu Rui Moreira no livro 'TAP Caixa Negra'.