Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo avança unilateralmente com proposta de contagem de tempo dos professores

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Tempo será repercutido na contagem de tempo de serviço de cada docente a partir de 1 de janeiro do próximo ano, contando a partir desse momento para as contas de progressão ao escalão seguinte

O Governo vai avançar unilateralmente com a sua proposta de contagem de tempo de serviço congelado aos professores, devolvendo em janeiro de 2019 apenas dois anos, nove meses e 18 dias, dos mais de nove anos reivindicados pelos sindicatos.

"O Governo irá avançar para a operacionalização desta proposta mesmo sem termos chegado a um acordo com as organizações sindicais. Neste sentido mostra-se o sentido de responsabilidade do Governo, mas também a boa-fé negocial e a não inflexibilidade do lado do Governo", disse o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, no final de uma reunião com os sindicatos de professores, esta sexta-feira no Ministério da Educação em Lisboa.

De acordo com as explicações do ministro, o tempo será repercutido na contagem de tempo de serviço de cada docente a partir de 1 de janeiro do próximo ano, contando a partir desse momento para as contas de progressão ao escalão seguinte.