Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo assinala que "estabilidade política é importante" mas "é o povo quem mais ordena"

Nuno André Ferreira

O Presidente da República aproveitou este sábado uma visita à Feira de São Mateus para assinalar que "a estabilidade política é importante", embora a sua concretização esteja nas mãos do povo, e apelar ao voto nas eleições europeias e legislativas

"A estabilidade política é importante, claro, mas os portugueses escolherão que tipo de estabilidade é que querem, eles é que têm de conviver com essa estabilidade, não é o Presidente da República só, são todos os portugueses", assinalou Marcelo Rebelo de Sousa no decorrer de uma visita à Feira de São Mateus, em Viseu.

Neste sentido, o chefe do Estado não perdeu a oportunidade de apelar ao voto, dizendo que, para o Presidente, "o que é necessário é que os portugueses votem, que haja o mínimo possível de abstenção e o máximo possível de votantes".

Em declarações aos jornalistas, quase no final da visita à feira, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que o ano eleitoral, "começou muito cedo, mas já começou", aproveitando para recordar que o Presidente "não pode ter preferências" ideológicas.

Questionado sobre a importância de haver uma maioria absoluta, o Presidente da República voltou a remeter a questão para "os portugueses". "É o povo quem mais ordena e o que os portugueses escolherem é aquilo que naturalmente será considerado na formação do governo. Vamos ver, há cenários com dados novos e os portugueses, perante esses dados, uns mais antigos outros novos, daqui a oito meses escolherão para as europeias e daqui a 11 meses escolherão para as legislativas", salientou.

"Os portugueses é que têm de dizer o que é que preferem: se preferem uma solução mais à esquerda ou mais à direita, com maioria absoluta ou sem maioria absoluta, eles têm isso na cabeça e ao votarem escolherão o futuro para os próximos quatro anos", insistiu.

Marcelo mostrou-se também inteirado sobre a evolução dos dois incêndios que lavravam em Portugal, um dos quais começou em Loulé a alastrou para Almodôvar, no distrito de beja, e outro na Póvoa de Lanhoso, no distrito de Braga.

"Estou a acompanhar o que se passa em matéria de fogos, acabei de falar com o senhor presidente da Câmara de Póvoa de Lanhoso, que me disse que o fogo está controlado, e acabei de falar com o senhor presidente da Câmara de Loulé, que me disse que a última informação é que o fogo tinha progredido para norte, por causa do vento que está muito intenso", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado precisou que o incêndio do Algarve "progrediu para a direção do Alentejo" mas os bombeiros e a Proteção Civil estão a por de pé "um mecanismo operacional, sobretudo envolvendo máquinas de rasto, para o caso de haver mudança de vento". O objetivo é atuar desde já preventivamente para o caso de o vento mudar outra vez para sul.

Numa tarde de cumprimentos e 'selfies', Marcelo Rebelo de Sousa ouviu elogios, palmas, pedidos de apoio por parte de cidadãos brasileiros e cumprimentou Rui Veloso e a sua banda, que ensaiava para esta noite subir ao palco do certame que celebra este ano o 626º aniversário.