Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rui Rio: "Já imaginaram se em vez de um houvesse quatro ou cinco Alberto João por esse país fora?"

HOMEM DE GOUVEIA

Rui Rio era o convidado, Miguel Albuquerque o festeiro, mas a imagem do dia foi a de Alberto João Jardim a gritar “eu só quero ver Miguel a presidente” na primeira fila da assistência que ouviu os discursos da festa laranja. O antigo líder do PSD-Madeira regressou ao Chão da Lagoa e aplaudiu entusiasmado, enquanto Albuquerque acusava os “socialistas da treta” de Lisboa e classificava o PS regional como um grupo de “agachados”

Marta Caires

Jornalista

O velho e o novo PSD-Madeira assinaram a paz na Herdade do Chão da Lagoa e até Rui Rio prescindiu das questões nacionais e colocou o foco na Madeira onde no próximo ano há eleições regionais e as sondagens colocam o PSD quase empatado com o PS. O líder nacional fez questão de sublinhar a importância da festa regional do partido, disse até que “um líder que queira chegar a primeiro ministro tem de passar pelo Chão da Lagoa”. E esse requisito já preenche ao estrear-se nos discursos e na ronda pelas barracas, a provar poncha, licores e petiscos, mas deixou claro ao que vinha.

O que o trazia ali era a solidariedade para com os madeirenses em questões como os juros da dívida pública, o subsídio social de mobilidade, o mau serviço público da TAP e o apoio ao partido para as eleições regionais do próximo ano. Rui Rio lembrou que,”em equipa que ganha não se mexe” e que o PSD mostrou, nestes mais de 40 anos em que é poder na região, que é uma equipa vencedora. Antes do 25 de Abril de 1974 e da autonomia não havia diferença entre o arquipélago e o interior do país, explicou. Hoje a diferença é abismal e ganha a Madeira.

Esse sucesso deve-se, segundo Rio, a Alberto João Jardim, que não é apenas um grande social-democrata, mas um grande português. O líder do PSD foi ainda mais além. “Já imaginaram se em vez de um, houvesse mais quatro ou cinco Alberto João por esse país fora?”. Jardim, que foi à festa e ouviu os discursos na assistência, agradeceu, mas este não o único elogio público da tarde. Antes Miguel Albuquerque fizera questão de agradecer “ao nosso grande líder, que preferiu estar na assistência com as novas gerações e com a JSD”.

Assinada a paz interna, Albuquerque desenterrou a velha estratégia do PSD-Madeira e atirou-se à República e ao governo da geringonça, a quem acusa de desrespeitar os madeirenses. E não poupou nas palavras, chamou “socialistas da treta” que levaram o país à falência, que “chegaram ao poder sem ganhar eleições” e que impuseram a mais alta carga fiscal dos últimos anos e têm o mais baixo nível de investimento desde o Estado Novo, “há comboios a parar e os hospitais não têm meios para tratar os doentes”.

Os mesmos que querem chegar ao poder na Madeira, “são uma série de indivíduos” que, na verdade, “não passam de uns agachados” a Lisboa. Exemplo desse comportamento foi, segundo Albuquerque, o voto contra a alteração ao subsídio de mobilidade. O PS votou contra, incluindo os deputados do PS-Madeira, que o líder do PSD disse ter “até vergonha de dizer que são deputados da Madeira”. Ainda assim, as sondagens colocam os socialistas muito próximos dos sociais-democratas. Miguel Albuquerque relevou, “a melhor sondagem foi a multidão na Herdade do Chão da Lagoa, ainda assim sublinhou que, no partido, estão “à espera deles”.

Na assistência, Jardim, o mais entusiasmado dos militantes esticou a mão com “v” de vitória e gritou várias vezes “eu só quero ver Miguel a presidente”. Os desentendimentos entre os dois gerados pela disputa à liderança do partido parecem estar arrumados. O antigo líder regressou por uns momentos e foi igual a si mesmo, um “one man show”.

O regresso de Jardim

Os dois anos de descanso não fizeram diferença e Alberto João Jardim roubou todas as cenas nos escassos minutos em que apareceu no Chão da Lagoa ao lado de Rui Rio e Miguel Albuquerque. O antigo líder dos sociais-democratas fez as vezes de anfitrião na festa onde não ia desde 2015, ano em que deixou o partido e o Governo Regional. As sondagens agora colocam o PSD à frente, mas quase empatado com o PS e Jardim quis dar o exemplo de unidade. Está com Rio e com Albuquerque e igual a si mesmo, até confessou que “já tinha saudades”.

Nos 15 minutos que esteve à espera dos convidados – o recinto onde se realiza a festa é propriedade da Fundação Social Democrata e Jardim é o presidente da fundação – mostraram bem que, aos 75 anos, continua a colocar no peito o autocolante a dizer “sou do PPD com muito orgulho”e a dizer que entre o “PSD e Portugal existe uma osmose” cultural, mesmo quando as caras vão mudando e se dá um distanciamento. É a velha questão do ser e do tempo colocada pelos filósofos alemães, explicou antes de começar a distribuir os beijos que lhe pediam, enquanto dizia que já não tinha fôlego para fazer a volta pelas barracas, só ia a algumas.

Alguém lhe disse que tinha conhecido melhores dias e a resposta veio rápida: “já conheci melhores dias, mas não se ponha de costas”. Houve risos e Jardim aproveitou a deixa para ir cantar e dançar com um trio de viola, rajão e acórdeão que estava a passar. Ainda deu mais um beijo a uma senhora que lhe gabou o perfume e outra que disse que como o Alberto João não há mais nenhum. Quando lhe perguntaram pelo caso Robles, preferiu dizer que o Bloco de Esquerda é um partido “de pequeno burgueses que não estão no PS e o PCP não os quis”.

Na ronda das barracas, acompanhou as primeiras e parou no licor de eucalipto e aí decidiu brincar com as particularidades afrodisíacas do dito. Ou melhor “afrodisíacas é para doutoras, repita comigo o licor de eucalipto é bom para...”. O resto foi abafado pela banda que tocava o “quem é que haverá, quem é que não acha que é o PSD a pôr a Madeira em marcha". A música foi repetida durante o passeio pelas mais de 50 barracas de organismos do partido. Jardim cedeu o protagonismo aos líderes e fez a festa como um simples militante entre os 20 mil que a organização diz que estiveram na Herdade do Chão da Lagoa.

“Sou um social-democrata e, para um social-democratas, as pessoas têm todas as mesma importância” e foi por isso que se juntou à JSD e ouviu os discursos de Rio e de Albuquerque na primeira fila, onde saltou, cantou as “saudades que eu tinha da minha alegre casinha” e gritou “eu só quero ver Miguel a presidente”. E mesmo ali, no meio da assistência, longe do palco onde incendiou muitas vezes a política nacional, foi dele a melhor imagem do dia, de mão em “v” de vitória, vestido de cor de laranja a gritar que “quem não salta não é da jota”.