Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Emmanuel Macron: “O futuro da Europa joga-se nos próximos cinco anos”

TIAGO MIRANDA

O chefe de Estado francês identificou a crise da Europa como “uma crise de eficácia”, por “falta de convergência”

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

No Encontro com os Cidadãos na Gulbenkian, Emmanuel Macron começou por mostrar a sua concordância com as palavras de António Costa, chamando ao momento atual da UE "inédito", um ponto "entre a fadiga e a reinvenção ". Sublinhando que a construção europeia é inédita como modelo em setenta anos de história, Macron lembrou que a Europa se constuuiu sobre um tríptico inédito, economia de mercado, social e Europa. "O modelo da Europa não passou, há que renová-lo".

O PR francês identificou a crise da Europa como "uma crise de eficácia", por "falta de convergência". Para que serve realmente a Europa, perguntam os nacionalistas.

"A Europa tem de se refazer em soberania, tem de escolher o seu destino. Mais soberania passa por uma coordenação e uma defesa comum, passa por convergência no próximo orçamento", disse Macron.

Macron justificou a importância desta sua iniciativa de debates e consultas aos cidadãos dizendo que "Os meses à nossa frente são essencias até às eleições de maio do próximo ano. O PR esclareceu que, "nos próximos cinco anos joga-se o destino da Europa, neles se decidirá o futuro da Europa".

"Temos uma divisão dos que são pela fratura da Europa e os reformistas que querem avançar e reformar a europa em profundidade para repor o sonho do início", concluiu.