Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo anuncia € 1.700 milhões de apoio ao empresariado do interior do país

RUI FARINHA/Lusa

Pedro Siza Vieira avançou, este sábado, em Pampilhosa da Serra, estar a trabalhar com o Ministério do Planeamento e Infraestruturas a aprovação de um pacote de apoio ao investimento empresarial nos territórios de baixa densidade populacional, no âmbito do Portugal 2020. Ministro Adjunto diz que programa passa ainda pela criação de novos serviços públicos no interior

O Governo vai criar um programa de concursos de 1.700 milhões de euros para apoiar o investimento empresarial no interior, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020, anunciou, este sábado, Pedro Siza Vieira. A medida está prevista no Programa de Valorização do Interior, aprovado em Conselho de Ministros Extraordinário, que decorreu na Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.

No final da reunião e em declarações aos jornalistas, o ministro Adjunto salientou que está a ser trabalhada com o Ministério do Planeamento e Infraestruturas a aprovação de um programa específico de apoio ao investimento empresarial, no âmbito dos sistemas de incentivos do Portugal 2020.

O programa contempla “um apoio de até 1.700 milhões de euros, especificamente para os territórios de baixa densidade", sublinhou Pedro Siza Vieira. O ministro Adjunto afirmou que esta medida “casa” com outras, nomeadamente um programa de captação de investimento no interior, que contempla a promoção ativa nacional e internacional destes territórios e uma linha de crédito para apoiar o investimento das pequenas e médias empresas.

Das 62 medidas do Programa de Valorização do Interior, estão também presentes o reforço dos mecanismos de transferência de serviços públicos para o interior, incentivos à mobilidade geográfica de funcionários públicos ou a diminuição do número de vagas nas instituições do ensino superior no litoral e um consequente aumento de vagas nas instituições do interior.

Como exemplo de algumas das medidas que estão pensadas, está a mudança, sempre que possível, das estruturas de formação das Forças Armadas e Proteção Civil para o interior, a criação de novos serviços públicos passarem a ser abertos, em regra, também no interior ou a localização de pólos de museus nacionais em cidades do interior do país.