Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Quão impressionado está com Ronaldo?” “Muitíssimo impressionado.” A conversa de Marcelo com Trump

Marcelo Rebelo de Sousa foi recebido na Casa Branca e deu a primeira conferência de imprensa em conjunto com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Os jornalistas preferiram fazer perguntas sobre questões de política interna norte-americana, mas enquanto teve a palavra Marcelo falou da comunidade portuguesa, do coração dividido dos luso-descendentes e de Cristiano Ronaldo

1 / 8

António Cotrim / Lusa

2 / 8

António Cotrim / Lusa

3 / 8

NICHOLAS KAMM / EPA

4 / 8

António Cotrim / Lusa

5 / 8

António Cotrim / Lusa

6 / 8

Win McNamee / EPA

7 / 8

Win McNamee / EPA

8 / 8

MICHAEL REYNOLDS / EPA

A reunião do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, com o seu homólogo norte-americano começou com referências do último... à Rússia. Donald Trump encontra-se com Putin já em julho e aproveitou para elogiar a organização do Mundial. O futebol foi um dos temas principais, com Marcelo a colocar Cristiano Ronaldo no topo do mundo. "Temos o melhor jogador do mundo, não se esqueça, Cristiano Ronaldo." A isto Trump respondeu: "Ele é mesmo bom? Quão impressionado está com ele?". "Muito impressionado", respondeu Marcelo. Ainda durante os minutos destinados a cada presidente, Trump disse que espera "a reunião urgente das famílias imigrantes nas fronteiras americanas", um assunto pelo qual a sua Administração tem sido bastante criticado.

Já com a palavra, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou a aliança antiga entre Portugal e os Estados Unidos. “Portugal foi o primeiro país neutro a reconhecer a Independência dos Estados Unidos”, disse Marcelo, que levou ao Presidente dos Estados Unidos uma cópia da carta da Rainha D. Maria I, datada de 1783, na qual o Reino de Portugal reconhece a independência do país. Trump parecia ouvir com atenção a lista de curiosidades que Marcelo trazia. Mais uma do Presidente português: “Sabia, senhor Presidente, que os seus pais fundadores [os homens que assinaram a declaração de Independência] brindaram à Independência com vinho da Madeira?”.

Logo a seguir, Marcelo falou de um outro tipo de ligação, que perdura e se fortalece com o tempo: a da comunidade luso-descendente nos Estados Unidos, constituída por “cerca de um milhão e 500 mil pessoas” que têm “o coração dividido entre dois países” e que estão “bem integrados”. Marcelo focou os valores que unem os dois países - "a democracia, a liberdade, o estado de direito e os direitos humanos" - e disse que a aliança "não é apenas económica e militar" mas também "humana".

Voltando ao futebol, Trump aproveitou para fazer um pouco de humor com a devoção de Marcelo - e de Portugal - a Cristiano Ronaldo. Poderia “Christian" concorrer à presidência?. E Marcelo respondeu: “Ele não venceria. Portugal é um pouco diferente dos Estados Unidos”.

As perguntas dos jornalistas norte-americanos focaram-se em assuntos internos e Trump aproveitou para criticar os democratas por não deixarem avançar leis que controlem a imigração no país.