Siga-nos

Perfil

Expresso

A Beleza das Pequenas Coisas

Maria Antónia Palla: “O meu filho, António Costa, é bem educado. Em Angola há protocolo a mais e coisas importantes a menos - a democracia”

Feminista, repórter de mão cheia, sindicalista, é mãe do nosso primeiro-ministro, António Costa, com o qual não fala de política. “Há o António, a quem eu chamo ‘Babush’, que quer dizer ‘menino’ em goês, e há o primeiro-ministro, aquele senhor que eu conheço mais pela televisão, de quem discordo várias vezes, como na falta de apoio à habitação e na insistência nas relações com Angola”. Sobre as criticas que lhe apontaram à forma como geriu publicamente a tragédia dos incêndios do ano passado, comenta: “O meu filho não é expansivo, como nenhum indiano é. Ele é reservado nas emoções. Não quer dizer que não as tenha...” Uma conversa para ouvir no regresso do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”, que entra na quarta temporada

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista

Jornalista

João Santos Duarte

João Santos Duarte

Edição de som

Jornalista

Mário Henriques

Ilustração

Assinar no iTunes: http://apple.co/2mCAbq2
Assinar no Soundcloud: http://bit.ly/2nMRpRL
Se usar Android, basta pesquisar A Beleza das Pequenas Coisas na sua aplicação.

Maria Antónia Palla é uma mulher que norteou toda a sua vida pela liberdade, lutando não só pela sua como pela dos outros: das mulheres, das minorias, dos desfavorecidos. Sem ter medo de ir contra o sistema, as regras, as instituições, as opiniões dos outros. Por isso casou-se de vermelho, amou dois homens ao mesmo tempo (e por sua vontade teria ficado com ambos), foi das primeiras mulheres a entrar numa redação de um jornal e correu o risco de ser presa por apresentar a reportagem de um aborto na televisão. “O documentário era péssimo. Mas serviu para chamar a atenção para o tema”, recorda agora.

Quem a conhece de perto aponta-lhe o desassombro, o olhar inteligente, de querer entender o outro, sem prejuízos e preconceitos, usando a empatia como uma arma. Algumas das histórias que contou, uma espécie de jornalismo de intervenção, podem ser lidas agora na reedição das obras “Revolução, meu amor. Maio de 68. Um ano depois” e “Só Acontece aos Outros - Histórias de Violência”, ambas reeditadas agora pela Sibila, de Inês Pedrosa.

Aos 85 anos, é agora mais abordada na rua por causa do filho, António Costa, mas procura relativizar as atenções sobre si. E é com algum humor que conta: “Há dias uma senhora abordou-me: “Está muito orgulhosa do filho que tem, não está?” E eu disse-lhe: “Sim. Mas se o meu filho fosse um bom sapateiro também estava. Até porque gosto muito de sapatos.” Uma conversa saborosa e íntima onde chega a referir um tema de Bob Dylan como uma das músicas que a acompanham. Entre tantas outras. Para ouvir.

Ainda neste episódio, como já é hábito, no final pode conhecer mais um testemunho da rubrica “Toda a Gente Tem Uma História”. Desta vez quem nos conta é a Helena Ales Pereira, de 48 anos, que fala da sua experiência como voluntária do outro lado do Atlântico, no Peru, onde durante dois meses deu aulas de inglês e anotou muitas histórias, ou não fosse a realidade deste país tão distante da europeia.

Este é um convite que lançamos semanalmente aos ouvintes para que nos contem também as suas experiências e relatos, maiores do que a vida, ou tão simples como ela pode ser.

Podem ainda gravar um áudio comentando os episódios que mais gostaram e as vossas razões.

Enviem-nos os vossos textos e áudios, comentários e sugestões, para: abelezadaspequenascoisas@impresa.pt

Até para a semana, e boas conversas!