Siga-nos

Perfil

Expresso

Nuno Presa Cardoso

Nós gostamos de olhar

Tudo começou naquele buraco da casa-de-banho da escola. Desviava-se o tijolo, tirávamos a pedra e lá conseguíamos espreitar. Um de cada vez. Havia dias de sorte em que ao de leve se avistava a cor das cuecas da matulona da turma.

 

Entre risos, abraços e olhos esbugalhados voltávamos a colocar o tijolo no lugar para regressarmos no dia seguinte. Eram dias felizes.

 

Sem dar por isso, evoluímos (ou regredimos, segundo os mais conservadores) muito e depressa. Continuamos a espreitar pelo buraco da parede, só que agora esse buraco dá para o mundo. E esta tendência planetária já tem nome, chama-se voyeurgasm (não há nada como um nome inglês para dar um carácter científico à coisa).

 

Quando nos anos 80 um arquitecto tentou lançar esta tendência em Portugal foi incompreendido e amplamente criticado. Mas o que é certo é que era um visionário. Estava à frente do seu tempo, apesar de noutras estar atrás (peço perdão aos meus leitores mas eu agora recebo ao trocadilho).

 

Hoje, o  voyeurgasm tornou-se banal. Pamela Anderson, Rob Lowe, ou mais recentemente Paris Hilton são apenas a ponta do icebergue (lá estou eu a facturar). Milhares de outros vídeos anónimos enchem diariamente sites de todo o mundo. Estádios de futebol, elevadores de escritórios, casas-de-banho públicas, ginásios ou praias (já lá iremos), nada escapa à fúria destas lentes insolentes.

 

Como podemos descobrir em www.doubletongued.org , voyeurgasm é uma tendência que não se limita apenas ao sexo, mas a tudo aquilo que é filmado e partilhado. Estamos a entrar num big brother à escala mundial com biliões de participantes, e ainda pior, com milhões de Marcos, Telmos e Zés Marias.

 

E como num artigo de opinião fica sempre bem uma referência cultural, convém lembrar-nos que Orwell já tinha previsto tudo isto no seu livro "1984". Talvez não seja a bota a prensar-nos, como ele escreveu, mas os nossos próprios telemóveis.

 

Voltemos então à praia. Daniela Cicarelli é um verdadeiro paradigma da  voyeurgasm. Eleita recentemente a musa desta nova tendência, o seu vídeo foi visto por milhões de pessoas em todo o mundo em apenas três dias. Foram atingidos novos máximos de downloads e o número de mails que ela desencadeou foi também astronómico. Para quem não viu, tratava-se de uma bela história de amor à beira-mar. Um misto de romance e filme de acção. Apesar de parecer o contrário não é uma montagem, é um vídeo real, aliás, condição essencial para esta nova tendência.

 

Já agora permitam-me terminar com um pequeno desmentido. Algumas revistas cor-de-rosa insistem em afirmar que o homem que estava com a Daniela era eu. Mais uma vez volto a negar qualquer envolvimento com a modelo brasileira. Somos apenas bons amigos.

 

E como dizia o sargento na velha "Balada de Hill Street": "Tenham cuidado lá fora", o  voyeurgasm anda por aí.

 

Nuno Presa Cardoso

Director criativo da BDDO