Siga-nos

Perfil

Expresso

Paulo Querido

Microsoft falha repetidos testes antivírus

Desde o lançamento do Vista, o anti-vírus da Microsoft, Live OneCare, falhou três testes. No último, um comparativo independente que avaliou 17 produtos, classificou-se no último lugar. A empresa não consegue impor-se neste mercado.

No dia 2 de Fevereiro, e a propósito do lançamento do sistema operativo Vista, feito para substituir o XP, deixei no ar uma pergunta que semanalmente vai tendo achegas a uma resposta politicamente incorrecta: em matéria de segurança, poderemos confiar na promessa de Gates?

Bill Gates veio uma vez mais dizer o que anda a dizer há dez anos, com um sucesso comercial inversamente proporcional ao desastre que os seus produtos representam para o consumidor (o que só por si explica algo sobre as irracionalidades da indústria informática, que promove o desperdício com a falsa obsolescência de modelos). Veio dizer que a Microsoft está cada vez mais empenhada na segurança dos seus produtos.

Num certo sentido, até é verdade... A indústria antivírus tornou-se num mercado muito apetecível e movimenta um volume de negócios bastante respeitoso, tendo sido erguida graças às deficiências da Microsoft, e esta nada ganhava, nem sequer umas comissões, o que é profundamente injusto. Pelo que decidiu criar o seu próprio anti-vírus e demais ameaças informáticas -- lá está, empenhou-se como nunca em corrigir a injustiça no sector.

O Live OneCare tem uma versão gratuita por 90 dias e um licenciamento posterior por 49,95 dólares anuais. Tem também o pior desempenho do mercado. A última análise da Av-Comparatives, resultado dos testes do investigador austríaco Andreas Cleminti, não deixa margem para dúvidas. Ao ponto de correr o risco de ser excluído ds futuros testes, por não se qualificar sequer nos mínimos.

"É um grande desapontamento ver um produto importante a não chegar a um nível satisfatório de detecção", lamentou Clementini ao Virus Bulletin (OneCare fails another detection test). "Para bem dos seus clientes", referiu simpaticamente, "espero que a Microsoft trabalhe arduamente para melhorar as coisas e assegurar que o OneCare ofereça protecção total aos seus utilizadores".

Em Fevereiro o OneCare já tinha falhado um teste básico da indústria, o VB100. Outro produto Microsoft, o Windows Defender, foi incapaz de bloquear quase metade das ameaças noutro teste levado a cabo em Fevereiro pelo laboratório independente Enex TestLab.

O único argumento que nesta altura é apresentado por quem ainda tenta minorar o danos é o clássico: sendo o sistema mais usado, é natural que seja o mais visado pelos fabricantes de vírus e malware.

Sim. Continuemos portanto a ignorar alegremente a responsabilidade da empresa no assunto. E a pagar a factura.

Paulo Querido

jornalista