Siga-nos

Perfil

Expresso

Paulo Querido

Instant messaging: o casamento dos gorilas

Durante anos tiveram estratégias contrárias procurando a afirmação. Yahoo! e Microsoft juntam agora, prosaicamente, as suas redes. Resultado? Uma comunidade de 350 milhões de utentes que deixará aos Sapo IM e Google Talks deste mundo pouco mais que as raspas de um dos mais excitantes negócios dos próximos anos.

A notícia passou um pouco despercebida. Talvez porque é demasiado web 1.0 para a actual moda Primavera/Verão nos media. Talvez porque há cenas mais sexy (pagar direitos ao Largo do Caldas) para os jornais, como o "ataque" ao blog do Dr. Pacheco Pereira. Mas não é caso para isso. Os dois gigantes deram o primeiro passo na direcção de um sistema de mensagens que a prazo ameaça os IM pequenos, como o Google Talk, mas também promete dar uma boa dentada no negócio dos telefones, sejam os fixos (em declínio), móveis ou VoIP.

A Yahoo! e a Microsoft planeavam o acordo desde o ano passado, soube-se agora. O teste de conectividade entre as duas redes, Yahoo! Messenger e MSN, começou na semana passada. As páginas dos dois serviços introduzem a melhoria praticamente sem anúncios, como se de mais uma corriqueira feature se tratasse.

Por enquanto, só as mensagens de texto circulam entre as duas redes e apenas em 19 países, Portugal excluído. É um teste à capacidade de adaptação dos dois sistemas, que já levam com uma carga jeitosa em cima: são 350 milhões de utentes a dividir pelos dois.

A interoperabilidade dos sistemas de IM é perseguida há muito tempo. O Google Talk, por exemplo, liga a outras redes que usem o mesmo protocolo aberto (como o SapoIM). E há anos que os utilizadores de Linux e Macintosh sabem de softwares que ligam a mais que uma rede, permitindo manter numa só janela os contactos espalhados pelos diversos sistemas. Mas há um preço a pagar: o uso é sempre limitado. Quem é que quer usar um cliente que não recebe imagens do MSN, não envia smileys para o SapoIM nem dá para ter um chat a três?

Da parceria Messenger-MSN espera-se mais. Espera-se interoperabilidade quase completa, com circulação de ficheiros e animações e conferência. Os dois gorilas deixaram cair aos jornalistas umas tretas sobre exploração conjunta da publicidade no sistema conjunto, mas isso são os trocos do negócio. Porque não esperar voz e imagem para breve? Já lá estão, gratuitas, para dentro de cada sistema (e para a rede telefónica, mas a pagar), é só ligar os dois. Os players do VoIP (voz sobre IP) como a Skype vão abanar a prazo.



Quem abanou logo foi a AOL, o colosso americano do chat. Ex-número um nos states com 47 milhões de people a dar ao dedo, passou instantaneamente a número dois pela soma dos 28 milhões de clientes do Messenger aos 22 milhões do MSN.



Paulo Querido

Jornalista