Siga-nos

Perfil

Expresso

Reginaldo Almeida

Portugal bem pequenino, onde matas e morres...

Preparamo-nos para enviar, já em Junho, mais de duzentos milhões de euros para a Suíça. Não em cheque ou numerário para depósito em contas bancárias, das mais ou menos transparentes, antes um valor robusto que até irá pelas suas próprias pernas e pés, afinal os verdadeiros activos financeiros que fazem valer tantos milhões os jogadores da selecção nacional de futebol. De futebol, sim, reafirme-se e não de outra prática desportiva qualquer já que, todas essas outras somadas, por maior mérito desportivo que tenham - e têm!- nem de longe nem de perto se comparam na cabeça de muitos ao valor desta, infelizmente e se calhar na senda do atraso cultural deste periférico país à beira-mar plantado...

Também o Manchester United se sagrou recentemente vencedor da Liga dos Campeões e muitos cá da terra aparentemente também... por via da participação activa dos jogadores e técnicos portugueses que integram o clube (se tivesse sido o Chelsea era mais ou menos a mesma coisa, embora faltasse a actual incontornabilidade de Cristiano Ronaldo). Esses atletas campeões e vice-campeões das quatro linhas juntaram-se para gáudio da multidão, aos não menos desejados futuros campeões, já em estágio, em Viseu, terra do herói lusitano Viriato que há séculos atrás deixou loucos os romanos por feitos heróicos mas de natureza bem diferente. Poderá a galhardia do guerreiro do passado inspirar os rapazes no futuro e ajudar ao espírito de união que Scolari pede repetidamente?

As televisões, os jornais e as rádios e restantes órgãos de comunicação social já começaram a envolver a multidão na dinâmica futebolística e o recém criado clube Portugal todos chama ao dever de sócios fervorosos da Selecção Nacional, ainda que neste momento o envolvimento do cidadão comum seja ainda fraco e esteja longe das manifestações visuais de 2004 que puseram quase todos a cantar a uma só voz "queremos mais, queremos mais, lá-lálá-lá... levantemos de novo o esplendor de Portugal...".

Mas para todos os efeitos de estupidez social, os concursos continuam a oferecer bilhetes para os jogos e viagens a terras Celtas e Helvéticas; as agências de viagens começam a registar pedidos de marcações e a publicidade alia-se de várias formas ao evento, ainda que por vezes de forma estranha pois exceptuando-se a tal incontornabilidade de Cristiano Ronaldo e os antigos e actuais jogadores do Benfica estarem em peso na publicidade, Figo, por exemplo, que até foi o melhor jogador do mundo, prima pela ausência.

Convém também não esquecer os emigrantes suíços, uma das maiores comunidades portuguesas no estrangeiro e com longas raízes que desde já se organizam para receber, aplaudir e glorificar a equipa das quinas.

Mas, o mais delicioso é mesmo assistir por cá às pequenas biografias televisivas de cada jogador eleito por Scolari pois "ficamos a saber" que cada um deles tem rotinas, gostos, comportamentos e acções iguais às de qualquer outro cidadão - exceptuando eventualmente o pagamento de impostos, mas isso não é referido, nem neste momento parece interessar, principalmente quando em uníssono se proclama que elevem o nome de Portugal aos mais altos píncaros da Europa no momento em que no velho continente se diz que já somos os recordistas da desigualdade social...

Como em tudo na vida, o entusiasmo é importância, a perde de lucidez nem por isso!

Reginaldo Rodrigues de Almeida