Siga-nos

Perfil

Expresso

Enquanto o Verão não chega

Mário Centeno fez o favor de lembrar a quem anda esquecido que o Orçamento do Estado não é apenas um instrumento para servir os interesses dos funcionários públicos, dos professores ou dos interesses eleitorais do PCP, do BE e dos sectores do PS que não desejam perder o poder, inesperadamente conquistado há três anos. Perante a persistente insistência dos entrevistadores do “Público” (ai, que saudades do defunto “DN”!), Centeno disse esta coisa óbvia: o OE é para todos os portugueses. É para servir todos os portugueses, pois é financiado com o dinheiro de todos os portugueses que pagam impostos e, como todos os bens escassos, para ser administrado com um sentido de justiça e de prioridade que não pode ser determinado pela simples capacidade de influência de grupos de pressão socioprofissionais. A isto Centeno acrescentou outra coisa: que os sacrifícios que tantos pagaram na pele com a falência do Estado merecem o mínimo de memória e de respeito. Ou seja, não podem ter sido em vão e terem de ser repetidos em breve para satisfazer reivindicações sectoriais de grupos organizados. Não é só uma questão de finanças públicas, é uma questão de moralidade nas finanças públicas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)