Siga-nos

Perfil

Expresso

Ir para áfrica via UE

A concorrência que a China tem vindo a fazer em África aos países europeus e aos EUA é um tema recorrente mas nunca desatualizado na sua importância e consequências. Diabolizar aquele país asiático pelo interesse e empenhamento no continente africano, aparentemente com algum sucesso, não parece ser razoável quer porque meras declarações sem contrapartida prática não alteram a situação quer porque a China e as suas empresas têm tanto direito em procurarem mercados externos como os parceiros tradicionais de África. Assim, quaisquer iniciativas que procurem realisticamente discutir o que e como fazer e que prioridades interessam ao desenvolvimento africano são sempre bem-vindas. Foi o caso, pelos temas em debate, de uma conferência no dia 9 deste mês e aberta pelo presidente do Parlamento Europeu.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)