Siga-nos

Perfil

Expresso

A semana

A semana, por Martim Silva

Martim Silva (www.expresso.pt)

Casamento gay AGORA, A ADOPÇÃO. Na segunda-feira casaram os dois primeiros casais gay em Portugal, depois de entrar em vigor a polémica lei que tornou Portugal um dos dez primeiros países do mundo a permiti-lo. Mal casaram, Teresa e Helena, acompanhadas do advogado, anunciaram a próxima batalha: a luta pela adopção. Quem julgava que estávamos arrumados de causas fracturantes, desengane-se.

Férias cá dentro? Cavaco Silva aconselha os portugueses a irem para fora cá dentro em tempos de crise. Vieira da Silva responde dizendo que se todos os países fizessem o mesmo Portugal é que saía prejudicado. Ou de como quando o clima está azedo tudo serve para querelas políticas.

Alemanha Corte nas grandes obras do Estado, redução dos funcionários públicos e uma poupança até 2014 estimada em 80 mil milhões de euros. A Alemanha de Merkel dá o exemplo.

Banco de Portugal Carlos Costa tomou posse como governador do Banco de Portugal, sucedendo a Vítor Constâncio, muito criticado desde o rebentar da crise na finança.

Leis laborais O PSD quer flexibilizá-las. A esquerda e os sindicatos estão contra. Bruxelas e o FMI apontam que esse é o caminho. O Governo diz que já flexibilizou mas não fecha a porta a aprofundar reformas. Um tema quente para os próximos tempos, num país que vive emparedado entre o pobre ou nulo crescimento económico e uma taxa de desemprego que não cessa de aumentar.

Iphone Steve Jobs anunciou o lançamento do iPhone 4, uma versão melhorada do telefone mais popular do mundo.

Selecção Nani, o jovem extremo do Manchester United, era um dos jogadores em melhor forma, mas uma lesão no ombro levou à sua substituição pelo benfiquista Ruben Amorim.

10 de Junho Último discurso de Cavaco Silva no Dia de Portugal. A situação é insustentável, diz o Presidente. Não é nada, replica José Sócrates. A situação económica pode ou não ser considerada insustentável, mas o ambiente político caminha rapidamente para esse ponto.

Morte Uma rapariga desaparece. Suspeita-se de tudo, há especulações, teses, teorias. Mas afinal, um mês depois o carro é encontrado numa ravina a três quilómetros de casa.

Futebol A Austrália desistiu da candidatura ao Mundial de 2018, deixando assim os EUA como única candidatura extra-Europa. Os candidatos europeus são a Rússia, Inglaterra, Holanda/Bélgica e Espanha/Portugal.

Economia Revisão em alta do crescimento da economia no primeiro trimestre - 1,8%.

Natalidade Pela primeira vez desde que há estatísticas, Portugal baixou dos 100 mil nascimentos num ano. Foi em 2009, quando nasceram 99491 bebés em Portugal.

EUA Censos da população revela que as minorias étnicas (sobretudo hispânicas e negras) já somam 35% da população do país.

Holanda O primeiro-ministro conservador Balkenende demite-se depois da derrota histórica nas eleições que levaram os liberais de direita a ser pela primeira vez o partido mais votado.

1500 Rui Tavares começou por ser conhecido como historiador, especialista nomeadamente no terramoto que devastou Lisboa em 1755. No ano passado, conseguiu à pele ser eleito eurodeputado, nas listas do Bloco de Esquerda. O partido esperava dois mas acabou por conseguir levar três nomes para Bruxelas, e Rui Tavares foi uma das surpresas da noite. Agora, quase um ano depois, o nome merece referência. E elogio. Tavares decidiu retirar mensalmente 1500 euros do seu salário em Bruxelas, de cerca de 7500, para atribuir bolsas. Desde que não seja funcionário do Parlamento Europeu, da AR ou do Bloco, pode candidatar-se e propor-se receber a bolsa, bastando para isso apresentar um projecto de investigação, reportagem ou outro. O júri é ele próprio, Rui Tavares, que vai decidir o destino do dinheiro. Um país é feito dos contributos de cada um. E o de Rui Tavares, ainda que singelo, fica já marcado como sendo um dos mais significativos. Que mil exemplos destes floresçam...

Mundial da Vuvuzela Começou ontem o primeiro Mundial de futebol em África, que se vai prolongar pelo próximo mês. Uma competição que antes mesmo de começar ficou marcada pela onda de lesões que afectou estrelas de várias selecções... e pela irritante vuvuzela, instrumento tradicional, que nos promete massacrar os ouvidos por algum tempo ainda. Portugal parte com as expectativas mais baixas dos últimos anos, enquanto a vizinha Espanha é mais favorita do que nunca à vitória.

Texto publicado na edição do Expresso de 12 de Junho de 2010