Siga-nos

Perfil

Expresso

Joviana Benedito

Dependência Net (1)

O trabalho ameaçado

- Bom dia, Tita.

- Bom dia, Lisa! outra vez atrasada!

- Que queres?! não sou capaz de me deitar a horas razoáveis...

- Pois... mas já foste repreendida tantas vezes! Olha o chefe já perguntou por ti e pediu para ires ao gabinete dele quando chegasses.

Lisa encolheu os ombros e revirou os olhos como que a dizer "tenho que o ouvir outra vez". Pousou a mala e um saco onde trazia sempre um livro para ler no comboio e duas maçãs para comer a meio da manhã.

- Dá licença, Dr. Marques?

- Entre e sente-se. Outra vez atrasada. É a trigésima vez!

- Pois...desculpe.

- Não, não cumpriu o que tínhamos acordado a última vez que falámos, por isso faça favor (estendendo-lhe um envelope), aqui tem a sua carta de despedimento com justa causa.

- Mas... mas... não faça isso, por favor, eu preciso deste emprego, dê-me mais uma oportunidade.

- Quantas oportunidades já lhe dei?! Quantas vezes me prometeu que não voltava a chegar atrasada?!

- Ajude-me...

- Mas o que se passa consigo? Ainda nunca me deu uma razão, que eu possa considerar aceitável, para a sua falta de cumprimento do horário.

- Fico na Net quase a noite inteira, sei que estou ciberviciada e não consigo parar. Não me alimento bem, levo o que tenho na dispensa para junto do PC, não durmo o necessário, tenho dores de cabeça, os olhos ardem-me...

Logo que entro em casa sinto uma necessidade imperiosa de me ligar. Desde que tenho consciência que não estou bem, faço o firme propósito de não estar mais de três horas sentada frente ao PC mas depois continuo e não sou capaz de parar. Fico no chat ou no Messenger a falar com os amigos, a ler e reenviar o correio electrónico, que cada vez é mais, a jogar cibercanasta e a navegar em busca de informação.

- Explique-me isso bem...

- ..............................

Lisa, mal chegou a casa, ligou-se à Net. Entrou no Messenger onde um pedido de contacto a aguardava. Tinha o nick de Chefe 48. Aceitou e dialogou. Desabafou e aceitou desabafos. Homem simpático, ponderado, afectuoso, compreensivo. Foram conversando de tudo e de nada. De vez em quando davam conta das horas tardias, combinavam que iriam sair para descansar, mas entretanto surgia outro elo na conversa que os levava a continuar o diálogo.

- Seis da manhã!!! Disse ela.

- Já não dá para ir para a cama senão chego atrasado ao emprego, vou tomar um banho e sair. Aceita tomar o pequeno-almoço comigo?

- Aceito.

Às oito horas, no alto de Monsanto, o sol começava a aquecer esta cumplicidade entre o Dr. Marques e Lisa.

Joviana Benedito

Profª. aposentada do Ensino Sec. e autora