Siga-nos

Perfil

Expresso

Comendador Marques de Correia - Cartas Abertas

O dever acima de tudo, ou a parábola do homem bom

Um dia, um homem bom decidiu que era altura de se casar. Primeiro, arranjou uma mulher e depois arranjou uma casa. A seguir, arranjou um grande casamento, para o qual convidou meio mundo, comprou um carro jeitoso e passou uma lua-de-mel nas Seychelles. Quanto voltou, teve de comprar um DVD e um plasma, além da mobília.

Foi quando resolveu que tinha quase tudo o que era necessário que o homem bom parou para ver o que tinha no banco. E o que tinha o homem bom?

O homem bom tinha dívidas: a dívida da casa, a do carro, a do casamento, a da lua-de-mel, a do DVD, a da TV de plasma e a da mobília. Tirando isso, não tinha praticamente mais nada. Mas o homem bom não desanimou, porque sempre tinha aprendido que o dever estava acima de tudo e que, a avaliar pelas informações do banco, o dever seria uma constante na sua vida, pelo menos, nos 40 anos seguintes.

O que o homem bom não sabia é que o banco tinha outro homem. O homem do banco, o dono do banco. Que oferecia excelentes condições para que todos pudessem ter mais dinheiro. É que, por um sistema deveras complexo, quanto mais dinheiro o banco emprestasse aos outros, mais dinheiro ganhava. Apesar de isto poder parecer impossível aos olhos de gente simples (e por isso é que quase ninguém empresta dinheiro), a verdade é que pode ser confirmado pelos balanços que trimestralmente o banco apresentava. Porque o dinheiro que o homem bom e os outros deviam fazia parte dos activos nas contas do banco. Eu sei que as pessoas normais não acreditam nisto. As pessoas normais pensam: "Como é isso possível, como pode ser activo o dinheiro que o homem bom deve se ele nem sequer existe?"

Mas é assim, quer creiam quer não...

Por isso, o homem do banco pretendia que toda a gente lhe ficasse a dever. Por muito bizarro que isso possa parecer, o homem do banco pedia, por todos os meios à sua disposição - na televisão, na rádio, nos jornais - que todos os homens bons lhe ficassem a dever dinheiro. E os homens bons ficavam. Deviam o carro, deviam a casa, deviam o colégio dos filhos, as férias de Verão e a ida à neve no Carnaval. Deviam a mobília, a TV e o computador. Enfim, deviam tudo e mais alguma coisa.

E o homem do banco ia cobrando os juros da dívida que, ao fim e ao cabo, era o seu lucro. Até que, um dia, o homem bom não teve dinheiro para pagar os juros. Felizmente, não teve problema porque o homem do banco renegociou a dívida e ele pôde, através de um empréstimo com um juro um pouco maior, receber o dinheiro necessário para pagar o juro do outro empréstimo. Porém, noutro dia, o homem bom não teve dinheiro para o empréstimo que servia para pagar a dívida do outro empréstimo... Bem, depois de vários empréstimos e de várias renegociações, o homem bom verificou não tinha dinheiro nenhum, pronto!

Foi então que o homem do banco viu que, sem o dinheiro do homem bom, também ele não tinha dinheiro.

Começou assim o que se costuma chamar crise.

Nessa altura, os cronistas, os bispos e os políticos viraram-se todos para o homem bom e disseram-lhe: "Não tinhas nada que pôr o dever acima de tudo." E viraram-se para o homem do banco e disseram-lhe: "De quanto precisa? É que se não o ajudamos lá se vai o sistema."

E assim, o homem do banco recebeu uma injecção de capital e, mal se recompôs, chegou ao pé do homem bom e disse-lhe: "Estás falido? Não te preocupes, posso fazer-te um empréstimo!" O homem bom, como não tinha alternativa, aceitou. E foi assim que se saiu da crise.

Comendador Marques de Correia