Siga-nos

Perfil

Expresso

António de Almeida

Cabras, camelos e petróleo

Li no 'Público' que, há dois anos, um camelo custava pouco mais do que uma cabra. Desde então, o preço triplicou. Adoro culinária à base de queijo de cabra. Detesto camelos. Uma vez, no Egipto, tentei subir para um. Não fui capaz. Esta contradição entre a simpatia por cabras e pouco apreço por camelos levou-me a procurar as razões do agravamento do fosso (um MBA diria "gap") entre a valorização dos antipáticos camelos relativamente às dengosas cabras. Tentei usar a ferramenta referida pelo prof. Lopes de Sá na entrevista ao 'JN' sobre o "fair value". O prof. considera-o como um engodo e a porta aberta à fraude. Acrescenta que a especulação financeira leva sempre o povo miúdo a perder. Assim tem sido. Assim será. As fraudes, designadamente as tecnicamente justificadas, enjoam-me. Tal como sucedeu com o camelo egípcio, desisti. Tentei outra via.

Existem várias Ligas. Umas mais animadas do que outras. Nós temos uma. A da bola. Kohler-Rollefson, membro da Liga dos Povos Pastores e Desenvolvimento Endógeno, cujo objectivo deve ser importantíssimo, consome parte do seu tempo a determinar o "fair value" dos camelos. Seguramente com a preocupação de os vender pelo melhor preço. A ele se deve a frase, "É excelente para a população de camelos se o preço do petróleo continuar a subir porque a procura de camelos também aumentará".

Depois de um novo recorde do preço do petróleo, a Goldman Sachs prevê que, em dois anos, o preço do barril chegue aos $200. Esta previsão, preocupante se o euro perder valor relativamente ao dólar, foi confirmada por Chabib Khelil, presidente da OPEC. Um analista do Deutsche Bank fala já em $250.

Com a correlação entre o preço do petróleo e o dos camelos e a inevitabilidade do aumento do primeiro, as cabras estão tramadas. E os camelos de todo o mundo valorizados. Será que alguma vez os cientistas do "fair value" chegariam a esta conclusão se o "fee" fosse pago pelos criadores de cabras? Que, ao menos, se proteja a produção do seu leite para que continuemos a salivar com o delicioso folhado de cabra acompanhado por doce de morango do XL. Com a vantagem de a determinação do seu "fair value" não necessitar dos métodos de múltiplos ou de "cash discount". Nem do dispêndio de "fees" que só os camelos não assustam.

Economista