Siga-nos

Perfil

Expresso

Luis Pedro Nunes

Viagra emocional em spray, não!

Luis Pedro Nunes (www.expresso.pt)

Fazer do homem um ser emotivo, que verte uma lágrima perante uma foto de uma criancinha desconhecida a chorar, que abraça soluçante a sua companheira após uma mera discussão... que imagem comovente. Tudo isto sem psicoterapias comportamentais, mas apenas com um sprayzito no nariz dele antes de a briga se tornar feia... Mas, permitam-me: é isto um homem ou um 'companheiro' drogado com hormonas femininas para se comportar como uma mulher? Eu não quero no mercado e nas mãos das mulheres um spray que pode fazer de mim um tipo sensível, ligado aos meus sentimentos, comunicativo e quem sabe capaz de chorar e soluçar em vez de me ensimesmar no sofá a zappar 300 canais - só porque o 'outro lado' decide que está na hora de levar com o aspersor chorão. O mundo não será o mesmo. E não será necessariamente melhor só porque há o The Cudle Spray, o spray de aninhar - oh, que coisa mais fofa e enojante.

As universidades de Oxford e Bona conduziram uma experiência com 48 homens. Metade 'limpos', metade borrifados com a mistela de oxitocina - uma hormona que tem como função promover as contracções musculares uterinas durante o parto e a ejecção do leite na amamentação. E o resultado? Foram mostrados aos homens imagens de putos a chorar, gatinhos e coisas giras do género. O grupo de homens 'normais' racionalizou e tentou arranjar explicações. No nasalado com a hormona, a resposta de empatia foi "a um nível só esperado ao de um grupo de mulheres". Dito sem rodeios. Depois do spray aquele grupo de homens levou uma pedrada de hormonas maternais e ficou uma ama de leite com calças. E elas acham suuuuper querido vê-lo assim tão vulnerável às emoções.

O tema oxitocina (a hormona do Amor Materno...) nas relações surgiu há uma década quando se constatou que seria esta hormona que diferenciava os dois comportamentos típicos da zanga: ela com níveis altos a querer dissecar o acontecimento ao sintagma e ele deixá-lo maturar no silêncio.

Eis que a semana passada o frou-frou sentimental revisteiro garante que está para breve a comercialização de um spray que mudará o seu homem-calhau - pelo menos a imprensa feminina internacional para as classes educadas celebrou o seu eventual aparecimento ignorando a parte de que uma hormona não altera comportamentos, apenas os potencia. Mas a verdade é que o spray foi imediatamente classificado de "Viagra das Relações Amorosas".

Pessoalmente parece-me que podia ser mais interessante se pensassem no uso militar: afinfar o gás nas linhas inimigas e depois a distribuição maciça de folhetos com a reprodução do famoso quadro "O Menino que Chora" era capaz de pôr divisões inteiras a berrar. Introduzir a hormona no ar condicionado da Standard & Poor's e enviar um mail com a imagem do Teixeira dos Santos a fazer beicinho talvez subisse o rating da República. Porquê as relações?

Ainda a semana passada vi um "60 Minuts" da CBS onde se questionava se era moralmente legítimo os universitários usarem para estudar "potenciadores cerebrais", comprimidos de última geração usados para distúrbios de atenção. Colocando de lado as questões de saúde, como eventuais efeitos secundários, será justo para os que não os tomam? Será este o caminho? Repare-se como se levantam dúvidas éticas legítimas quando há um princípio classista em causa de que só alguns (os ricos? Os amigos de médicos?) têm acesso à droga da esperteza.

Já sermos todos niveladamente sensíveis e feminizados faz parte da actual moral aspiracional pelo que não é sujeito a debate e é tudo queriducho e cutchi-cutchi, a bem da harmonia do casal. Ela pressente uma zanga? Esconde o spray atrás das costas e anda cá mais perto sim vem cá e pssssst na penca e ei-lo a chorar baba e ranho e a falar do seu eu interior: sabes como eu sou, parva, e não ligues, deixa estar, tudo se resolve.

Cheira-me que no recato do lar, a mera presença do spray de aninhar vai dar zangas de partir pedra.

O uso desta hormona não é novo na medicina e este estudo visa analisar a sua potencial aplicação a doenças do foro mental, como a esquizofrenia. Mas na imensidão do comércio online já apareceu um spray que alega ser o 'tal' que, duvidosamente será.

http://oxytocin-spray.com/  

Estudo completo disponível no "The Journal of Neuroscience"    

Resumo "Hormone spray improves male sensitivity"

Texto publicado na edição da Única de 8 de Maio de 2010