Siga-nos

Perfil

Expresso

Henrique Raposo

O meu avô, o meu pai, e eu

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

Em alturas de crise, as nações necessitam de uma narrativa histórica que empolgue as tropas receosas. Portugal não tem essa narrativa. Aquilo que vai aparecendo não passa de um discurso oco que glorifica "uma nação que deu mundos ao mundo". Ora, em 2010, esse palavreado grandiloquente sobre os Descobrimentos é tão postiço como o teleponto de José Sócrates. Esta gesta cantada por Manuel Alegre & Cia., não fala dos portugueses reais, mas sim de um Portugal abstracto e a-histórico. Este discurso pseudo-poético e hiperoptimista não é uma narrativa histórica. É um onanismo quinto-imperialista.

A lengalenga da "grande nação aventureira" é o reverso da medalha do pessimismo português, o discurso oficioso dos media e das tascas. O disco partido deste pessimismo tem sempre a mesma cadência: começa na autoflagelação xiita ("Portugal é uma porcaria"), e termina na sentença de cartomante ("isto nunca muda"). O país está destinado a um estado perpétuo de imutabilidade. Portugal, dizem, é um sítio mauzinho em 2010, tal como era mauzinho em 1970, 1950, 1900 ou 1870. Seja qual for a época, o discurso não muda. Ou seja, os pessimistas criaram um Portugal tão vago e a-histórico como os optimistas do Quinto Império. Perante isto, eu gostava de apontar para um facto: Portugal mudou, e mudou para melhor. O século XX português é uma história de sucesso, meus amigos. Não acreditam? Então venham daí conhecer o meu avô e o meu pai. Venham daí conhecer os portugueses reais, e não o Portugal das abstracções onanistas.

O Alentejo do meu avô era igual ao Alentejo das invasões francesas. Aquilo era a Mauritânia, meus amigos. Coisa áspera. O terceiro mundo estava ali estacionado. Mas, apesar de ser um camponês analfabeto, o meu avô arregaçou as mangas e tirou o país do terceiro mundo. Quando o meu pai nasceu, Portugal já estava no 'segundo mundo'. Por isso, o meu pai já pôde ir à escola: tirou a quarta classe e fez-se à vida. Foi o meu pai, meus amigos, que colocou Portugal a crescer a 9% ao ano. Foi o meu pai, ex-operário e agora empresário, que colocou Portugal no hall de entrada do primeiro mundo. E foi nesse hall que eu nasci. Devido ao trabalho do meu pai, eu estudei além da quarta classe, e, agora, sou o cronista-benjamim do maior jornal do país (para grande desgosto do meu avô, que me queria no "Avante!"). Portugal mudou, e muito, meus amigos. Eu sou a prova disso. E há milhares e milhares de histórias familiares idênticas à minha. Temos juízes, advogados, professores, investigadores, empresários, gestores, escritores, jornalistas e médicos que têm algures um avô analfabeto e um pai com a quarta classe. O país inteiro devia ter orgulho nestas histórias. Porque são estas histórias que fazem a História de um país. São estas epopeias familiares que constroem as narrativas históricas que unem uma nação em momentos de aperto e redenção.

Portugal não está condenado ao declínio. Aliás, a ascensão tem sido a marca da nossa história recente. O meu avô e o meu pai trouxeram Portugal para o primeiro mundo. Com o país às costas, eles subiram a escadaria, desde a empoeirada Mauritânia até à reluzente União Europeia. E, meus amigos, não vai ser no meu turno que Portugal vai aos trambolhões pela escadaria abaixo. Até porque estou mais bem preparado. Só tenho de encontrar o coração que eles tinham.

Texto publicado na edição do Expresso de 29 de Maio de 2010