Siga-nos

Perfil

Expresso

Prender sem dor

Nos recentes casos de condenações em crime económico-financeiro a execução da prisão ou do confisco dos bens, esfuma-se na multiplicação de incidentes processuais suscitados na instrução ou durante e após o julgamento, num carrossel infindável. A morosidade das investigações normalmente triplica no julgamento e tende a paralisar a marcha do processo durante os recursos. O processo encrava, as pessoas desligam, a patologia dos incidentes torna-se sistémica, embora com frustração da desejada prescrição.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)