Siga-nos

Perfil

Expresso

João Vieira Pereira Diretor-Adjunto

O incrível percurso de um papel nos corredores do funcionalismo público

1 de Dezembro de 2018

Bom dia. Hoje é feriado, 1 de Dezembro, dia em que se comemora a Restauração da Independência. Mas também é sábado, o que quer dizer que o seu jornal está nas bancas. Deixo-lhe aqui alguns dos destaques que não pode perder.

Lembra-se do sketch memorável dos 'Gato Fedorento' intitulado ‘o papel’, uma sátira à burocracia e funcionamento da Administração Pública? À medida que lia a segunda parte desta notícia não conseguia deixar de pensar naquele vídeo e de como, por vezes, a realidade ultrapassa a ficção.

O memorando que considerava “elevado” o “risco de colapso” da estrada de Borba, e que foi remetido em dezembro de 2014 ao gabinete do então secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, andou de departamento em departamento até ficar num arquivo qualquer. Depois de enviado à Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), acabou numa 'gaveta' na Direção dos Serviços de Minas e Pedreiras. O documento, ficou assim esquecido, ao sabor de um processo de transferência de competências entre organismos da Administração Central. Parece mentira, mas não é.

Não fica por aqui. O Expresso revela ainda que a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar denúncias que dão conta da detonação de explosivos na pedreira de Borba poucas horas antes do desabamento de terras. Explosões que foram autorizadas por parecer favorável da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), a mesma direção que tinha sido avisada dos riscos daquela estrutura.


Mas há mais para ler no seu jornal.

Hospital em casa Cerca de metade das doenças pode ter tratamento hospitalar na residência. Depois de várias experiências internacionais este tipo de internamento foi testado com sucesso no Garcia de Orta e pode ser agora alargado a todos os hospitais públicos. Em cinco a sete anos, a rede poderá contar em permanência com 9500 camas no domicílio e abranger por ano 400 mil doentes. Fora da enfermaria são menos as mortes, infeções, reinternamentos, urgências e custos.

Assim não A hipótese de a “barriga de aluguer” poder ficar com o bebé, alteração que deverá ser incluída na nova legislação, já está a afastar famílias deste procedimento. Casais inférteis viram-se outra vez para o estrangeiro.

De Marcelo para Santana Paulo Sande, especialista em assuntos europeus e atual assessor do Presidente da República, vai ser o cabeça de lista da Aliança (de Santana Lopes) nas eleições europeias de maio. Se for eleito, deixa Belém. Se fracassar, Marcelo já lhe disse que pode ficar.

Louco é aquele que faz o mesmo e espera um resultado diferente Um dos dois alegados testas de ferro de José Sócrates no processo Operação Marquês, acusado de dois crimes de branqueamento de capitais, é o dono do apartamento na Ericeira para onde o ex-primeiro-ministro se mudou em novembro.

Tenham medo Hoje, para fazer qualquer transporte de dinheiro ou valores superiores a 15 mil euros todas as empresas têm de recorrer a carrinhas de transporte de valores. Mas o Governo quer mudar esse limite para os 150 mil euros. A Polícia teme que isso aumente os assaltos no transporte de valores.

Já cheira a eleições Ainda faltam dez meses para as eleições legislativas mas a campanha eleitoral arranca este sábado. O PS assume como “campanha” a ação que vai levar os presidentes das federações e os deputados do PS nos dezoito distritos para a rua distribuir um folheto com o balanço de três anos de governação e argumentos para pedir o voto em 2019.

Rio pela escarpa abaixo Uma troca de e-mails entre juristas está a comprometer Rui Rio num negócio imobiliário na Arrábida, no Porto. Juristas da Câmara e um consultor externo da autarquia, combinaram a reversão da decisão de Rio para ser possível ao autarca garantir a construção na escarpa. Tudo aqui.

O mal amado É um dos maiores arquitetos portugueses mas aos 85 anos Álvaro Siza Vieira tem vasta obra na Ásia e pouca procura em Portugal. O que só é explicável, diz, por o seu trabalho ser por cá pouco apreciado. Em entrevista, fala pela primeira vez de um projeto delicado: a adaptação da Casa de Serralves para receber a coleção Miró. Diz que ainda necessita da arquitetura como quem precisa de ar para respirar e, garante, não quer que seja visível a sua assinatura naquela intervenção.




Jogadores do Sporting fora do jogo? Nos dias que antecederam a operação de colocação no mercado de dívida do Sporting Clube de Portugal muitos foram os que andaram a promover a mesma, incluindo jogadores e ex-jogadores do Sporting. A CMVM que agora saber se de facto concretizaram esses investimentos. Se não o fizeram, tal como o afirmaram publicamente, podem ser acusados de manipulação de mercado.

Vem aí uma nova subida do IMI, para todos Os preços do imobiliário estão a bater recordes e também por isso os peritos que todos os anos aconselham as Finanças em matéria de IMI deixam duas recomendações para 2019: que o preço por metro quadrado, que está na base da avaliação fiscal dos prédios, suba dos atuais €603 para €615 e que o Governo dê início a uma nova revisão dos coeficientes de localização.

Mil euros ou mais Este é o patamar no qual Portugal deve colocar o salário mínimo, defende Peter Villax, presidente da Associação das Empresas Familiares. Na altura em que a concertação social discute o valor para 2019, sendo conhecido o compromisso do Governo de um aumento para €600, Villax diz que “precisamos de ter salários dignos. E um salário de €580 euros, €600 ou mesmo €615 não é digno”.

Mal Comporta(do) Paula Amorim e Claude Berda são os novos donos da Comporta. Mas nem tudo foram rosas. A assembleia de participantes do fundo gerido pela Gesfimo ficou marcada por tensão e acusações. O advogado Henrique Chaves, em representação de uma participante do fundo, da família Espírito Santo, acusou o Novo Banco, a Rioforte e a Gesfimo (sociedade gestora do fundo) de terem atuado de forma concertada para afastar o consórcio da Oakvest e da Portugália da corrida à compra da Comporta.

O que mudou O Orçamento do Estado para 2019 está finalmente aprovado. O diabo, desta vez criado por António Costa, não veio e as alterações dos partidos só custam 100 milhões de euros. Mas afinal, o que muda na sua vida com este OE? A resposta aqui.

Rendidos ao renminbi O dragão chinês apaixonou-se pela Finlândia e Portugal, os dois países da zona euro que, nos últimos 18 anos, mais investimento de origem chinesa receberam (em percentagem do PIB). No caso de Portugal entraram mais de €6 mil milhões em dinheiro com origem no Império do Meio.

Eis a nova frente ribeirinha A 15 minutos de Lisboa, Vila Franca de Xira quer seguir o exemplo do Parque das Nações e estender o Parque Linear Ribeirinho do Estuário do Tejo, localizado na Póvoa de Santa Iria, em mais sete quilómetros. Uma obra que representa um investimento de mais de €7 milhões.


‘Fly me to the moon, let me play among the stars, let me see what spring is like on Jupiter and Mars’ Porque vamos a Marte? Porque podemos. A viagem vai demorar vários meses, o ambiente é mais hostil que os mais inóspitos locais na Terra e até agora só robôs lá pousaram. Os mais otimistas acreditam que dentro de uma ou duas décadas será possível colocar um homem em Marte, agora que esse objetivo deixou de ser matéria de livros e filmes de ficção científica. Conheça os segredos de uma viagem que já está a ser planeada. (Já agora deixo-vos uma questão. Quando se poisa no planeta terra dizemos aterrar. Quando o fazemos na lua, alunar. E em Marte? Amartear?)

De canibais a amigos e parceiros de confiança As primeiras imagens chinesas dos portugueses identificavam-nos como demónios com leves semelhanças ao seres humanos e com ascendência canibalística. Éramos apreciadores de carne de criança e quando chegámos à China comprámos um grande número de crianças. Depois fomos vistos como usurpadores do território de Macau e descritos como um pequeno país imperialista. Hoje somos um amigo e parceiro. Nas vésperas da visita de Xi Jinping, um olhar histórico (de António Caeiro) das relações entre China e Portugal.

Mais anjos que demónios Não perca ainda na ‘E’ a entrevista conjunta feita a Soraia Chaves e Cláudia Vieira, as protagonistas da novela da SIC “Alma e Coração”. Uma conversa sobre o Natal, a fama, a maternidade e ainda a beleza, que é uma bênção e uma maldição.

Partilhe esta edição