Siga-nos

Perfil

Expresso

Martim Silva Diretor-Executivo

A primeira grande entrevista do Presidente de Angola, João Lourenço

17 de Novembro de 2018

Bom dia,
Nos três cadernos do Expresso que hoje está nas bancas, três entrevistas merecem destaque. A do líder do Millenium BCP na Economia, a do ministro do Ambiente e da Transição Energética, no Primeiro Caderno, e sobretudo a conversa com João Lourenço, o Presidente de Angola, que está na Revista.

É sobre esta última que começo a newsletter. Naturalmente. Porque se trata de uma entrevista particularmente marcante e significativa. Não só por ser a primeira grande entrevista que João Lourenço dá. Como também pelo facto de este seu primeiro ano de mandato em Angola estar a ser particularmente marcante (alguns dirão esperançoso), sobretudo pela forma como tem cortado a direito com o legado de José Eduardo dos Santos (e família). E finalmente pelo facto de João Lourenço vir a Portugal na próxima semana, para uma visita que inclui visita e discurso na Assembleia da República.


Na entrevista ao Expresso, com o título "São conhecidos os que traíram a pátria", João Lourenço falou sobre a relação com José Eduardo dos Santos, falou do combate à corrupção, do repatriamento das fortunas escondidas pelos angolanos no estrangeiro. Não esqueceu o caso Manuel Vicente e o irritante que isso se tornou nas relações luso-angolanas. E ainda deixou um apelo, e uma chamada, para o aumento da emigração portuguesa para Angola, nomeadamente em matéria de profissionais de saúde e de educação.

De qualquer maneira, lendo a entrevista, nota-se como hoje em dia Portugal está longe de ser uma prioridade para Angola e como os olhos destes estão muito mais virados para, por exemplo, a China.

Se quer ler uma entrevista marcante deste fim de semana, é mesmo esta. E só a pode ler AQUI no seu Expresso.


Tema forte desta edição é o futebol. Ou melhor, é o lado pior do futebol. Os negócios pouco claros, as polémicas, os casos judiciais.
Neste jornal contamos como no caso que envolve o antigo presidente do Sporting o juiz recusou colocar Bruno de Carvalho sob escuta. Contamos como o Governo se prepara para apertar a malha de controlo e fiscalização sobre as claques - sim, é isso mesmo, vem aí nova legislação.

E em mais um grande trabalho de investigação do Football Leaks, realizado pelo consórcio internacional de jornalismo de investigação a que o Expresso está associado, revelamos como o "Ministério Público anda a investigar suspeitas de fraude fiscal nos três grande". Sim, é isso mesmo, no Sporting, Benfica e Porto. Nesta peça contamos quais são os negócios de jogadores que levantam mais suspeitas à Autoridade Tributária.


Nota ainda no Primeiro Caderno para a entrevista a Matos Fernandes, em que o ministro dos Ambiente e Transição Energética admite uma candidatura autárquica no Porto, confessa que não é um ambientalista e que tem saudades de Azeredo Lopes no Governo. Em que revela os novos leilões para desbloquear impasses na energia solar. Em que admite que Portugal não vai cumprir as metas de reciclagem de lixo. Em que afirma que não há soluções milagrosas na habitação e garante que os transportes colectivos funcionam bastante melhor do que se pensa.

Nesta edição temos tudo para perceber o que se passa no Brexit. Temos uma reportagem na caravana de migrantes americanos que chegam à fronteira sul dos Estados Unidos. Revelamos como nunca tantos portugueses tentaram deixar de fumar. E como há cada vez menos candidatos a professor.

Já aqui falei da entrevista de João Lourenço que faz capa da Revista esta semana.
Mas há ainda outros dois temas que pode encontrar nestas páginas e que eu acredito que merecem nota aqui.

Primeiro, o trabalho intitulado "Um dia na vida de António Zambujo", que pode ler aqui, e em que a Lia Pereira acompanhou o garoto "distraído" e de humor "ácido" em estúdio, na altura em que lança o seu disco número oito. Vale a pena ler até porque neste trabalho "um dos mais populares músicos portugueses da atualidade escolheu mudar (quase) tudo.

Depois, e para uma leitura totalmente diferente, um tema de política. De política nacional. O tema intitula-se "Costa e amigos, Lda - como ele comanda o Governo".
O Miguel Santos Carrapatoso foi mergulhar a fundo nos laços e ligações entre membros do executivo rosa e procurar os elos que os unem ao chefe. Costa é "pragmático, irascível e autocentrado, mas chega a parecer salomónico no Conselho de Ministros. Tem dois amigos no Governo e o 'melhor amigo' fora dele. Mário Centeno, o novo cardeal, tem um peso desmedido. Como é que António Costa gere o executivo socialista?"

Uma excelente leitura. Até porque é bem possível, como mostram as sondagens, que António Costa ainda continue a mandar por mais uns aninhos.

Quem não parece estar em muitos bons lençóis é João Pereira Coutinho, cujos negócios já estiveram bem melhor. O milionário que um dia levou Durão Barroso a passar férias na sua ilha do Brasil não vive dias fáceis. A SIVA, que ainda em junho falhou o pagamento de dois empréstimos que a banca não renovou, passa para as mão da Volkswagen alemã. E a famosa Ilha do Capítulo já foi posta à venda por 14,5 milhões de euros.

No caderno de Economia merece referência igualmente a entrevista a Miguel Maya, presidente da Comissão Executiva do Millenium BCP. Que afirma "não tenho a vida fácil". Assumiu em julho a liderança do banco em que trabalha há 28 anos. Na sua primeira entrevista, fala dos desafios difíceis que tem pela frente, de como a banca espanhola o está a ajudar e pede que seja encontrada uma solução mais justa e equitativa para pagar os custos da queda do BES.

Depois de um empresário em maus lençóis e de um banqueiro que diz que a vida não está fácil, falamos agora de "Como Isabel dos Santos tomou conta da Efacec".
A empresária angolana e filha do antigo presidente do país desenhou a compra da empresa com 160 milhões de euros da banca portuguesa e 40 milhões de euros do Estado angolano. Sem ter portanto de abrir os cordões da sua própria bolsa.

Tenha um excelente fim de semana. Com o seu Expresso sempre consigo. Boas leituras

Partilhe esta edição