Siga-nos

Perfil

Expresso

Ricardo Costa Diretor de Informação da SIC

Eu taxo, tu taxas, ele taxa, nós (… escolha o verbo)

14 de Setembro de 2018

Esta época do ano costuma ser de furacões, tempestades tropicais, vindimas, novo ano escolar, regresso do futebol europeu, etc. Agora, com um grau de certeza próximo de 100%, podemos dizer que esta é também a época dos novos impostos.

Com a mesma certeza com que os americanos olham para o oceano à espera de um furacão, nós sabemos que vamos ser atingidos por uma discussão sobre qual o melhor imposto a criar no próximo Orçamento do Estado.

Podia ser uma discussão a cada quatro anos, ou mesmo a dois, mas não, é anual: chega sem aviso, ganha um nome e toma conta de todas as discussões políticas económicas da Pátria. Este ano estamos a braços com a Taxa Robles – um furacão com origem no tradicional Oceano bloquista - e a Taxa Rio - uma tempestade fiscal que os especialistas consideram ter origem inesperada.

Ontem, Manuela Ferreira Leite saiu em socorro de Rui Rio, afirmando na TVI 24 que “Rui Rio tem razão. Não é pelo facto de ter sido o Bloco a propor que não é tema”, explicando que todos os partidos deviam tentar travar a especulação imobiliária.

No entanto, a antiga ministra das Finanças sublinhou que espera que a proposta do PSD não seja igual à do Bloco, que considera ser “para toda a especulação”. “São duas posições que não têm nada que ver. É evidente que não foi isso que Rui Rio sugeriu quando falou em apresentar uma proposta sobre este tema”.

O problema é que ninguém conhece as propostas e a colagem do PSD ao Bloco provocou um tufão na direção de Rui Rio. O Expresso conta o que se passou na reunião de quarta à tarde: Nuno Morais Sarmento falou de "tiro no pé". Castro Almeida, de "descaraterização ideológica". O desconforto foi geral e tirando Elina Fraga e Salvador Malheiro, todos os vice-presidentes de Rui Rio se demarcaram em tom mais ou menos crítico da forma como o líder do PSD se deixou colar à polémica "taxa Robles", lançada pelo Bloco de Esquerda.

Numa entrevista, ontem à noite na SIC Notícias, Fernando Medina manifestou-se contra a taxa Robles.
O autarca afirmou que “penalizar a rotação no mercado imobiliário não aumenta o número de casas”, acrescentando que a prioridade imediata deve ser aumentar o número de casas disponível” para as famílias de classe média.


O presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera que a autarquia tem mesmo que atuar no mercado de arrendamento através de uma aumento da oferta e de uma diminuição fiscal sobre contratos de longa duração.

O Jornal de Negócios foi ver o que se passa noutros países e conclui que a Taxa de Rio existe em seis países europeus. São casos em que a detenção de um imóvel durante um determinado número de anos é compensada com um imposto mais baixo ou mesmo com uma isenção no momento da venda.

Estes assuntos parecem ter tomado conta das nossas vidas. Veja-se as capas dos jornais de hoje:

Público: mais de 80% das casas são vendidas em menos de seis meses

Jornal de Negócios: um terço dos que procuram casa desistem por causa do preço

DN: Preços das casas levam quatro em cada dez a desistir ou adiar a compra

DN: Taxa Robles criou uma bolha legislativa sobre especulação imobiliária

JN: universitários chegaram ao Porto mas não têm onde ficar

No Jornal de Negócios há outra novidade fiscal: Portugal e Angola vão eliminar a dupla tributação. O acordo entre os dois países será assinado em Luanda durante a visita de Estado

Noutra frente fiscal, o Jornal Económico escreve que o PCP quer mais 45 milhões de impostos sobre imóveis e empresas, com um aumento da derrama.

Já sabemos que na vida só há duas coisas garantidas: a morte e os impostos. Só não era preciso que nos lembrassem isto a todas as horas

OUTRAS NOTÍCIAS
O furacão Florence perdeu força nas últimas horas e baixou para a categoria 1, mas a costa Leste dos EUA continua preparada para inundações de enorme dimensão. As imagens são impressionantes e o risco real terá que ser acompanhado ao longo do dia, porque as alterações vão-se sucedendo.


Também o furacão Helene está a perder força e já chegará aos Açores no fim de semana como tempestade tropical. As ilhas mais afetadas serão as Flores e o Corvo, com ventos muito fortes e ondas de grande dimensão. Mas as outras ilhas também deverão sentir os efeitos.

Na entrevista que deu à SIC Notícias, Fernando Medina confirmou que está mesmo em negociações com o governo e com as autarquias de Oeiras e Cascais para a criação de um corredor para transportes públicos na A5, o que seria uma revolução nos acessos e saídas de Lisboa.

O JN conta que há doentes mentais a viver em quartos com grades. Há vários anos que APADI, uma instituição de Bragança, mantém dois utentes em isolamento, em quartos com grades, apresentando-os como casos de risco para os próprios e outros. A instituição já apelou ao Ministério da Saúde, entidades locais de saúde e organismos de todo o país para os dois doentes serem internados em unidades psiquiátricas. Mas nunca conseguiu.

Num artigo de opinião escrito para a TSF, José Sócrates acusa o Tribunal Central de Instrução Criminal de não cumprir a lei e de ter "dois pesos e duas medidas". O ex-primeiro-ministro diz que "quando o processo "Marquês" foi enviado para o Tribunal, "não houve nenhuma operação de distribuição o respetivo sorteio previsto na lei não foi efetuado", tendo havido uma "atribuição manual" ao juíz Carlos Alexandre.

O ex-Procurador Geral da República, José Souto Moura, dá uma entrevista ao i, a primeira depois de se jubilar, e afirma que “o governo pode propor de novo Joana Marques Vidal para PGR”. O magistrado afirma que hoje “não há privilégio por se ser magistrado, político ou banqueiro”.

Também o ex-ministro Laborinho Lúcio afirma que “reconduzir Joana Marques Vidal abre uma nova esperança. É a política que está em jogo”.

Um extraordinário quadro de David Hockney pode vir a ser o mais caro de um artista vivo. Retrato de um artista (piscina com duas figuras) pode atingir os 80 milhões de dólares num leilão em novembro, em Nova Iorque. A Christie’s está certa de que vai mesmo bater o recorde.

FRASES
Hoje, os desportivos batem tudo o resto


Foi o diretor do F.C. Porto a exibir o produto do roubo”. Varandas Fernandes, vice-presidente do Benfica

Alguém acredita que um hacker ia oferecer ao Porto informação a troco de nada?”, idem

SAD do Benfica é a única acusada de corrupção”. Francisco J. Marques, diretor de comunicação do F.C. Porto

Apanhem-me se puderem”. Mensagem do alegado hacker no site football leaks

O QUE EU ANDO A LER
Ora aqui está um parágrafo embaraçoso para quem já faz o Expresso Curto há uns tempos. É que eu ando a ler o mesmo livro de quando escrevi pela última vez esta newsletter matinal. Como não vale repetir a recomendação de Para além da crença de V.S. Naipaul, deixo uma sugestão que é uma homenagem à literatura e que me prendeu da primeira à última linha.


Estou a falar de uma entrevista, e acho que é a primeira vez que recomendo aqui uma entrevista. Mas a) é uma entrevista inédita; b) é com David Foster Wallace; c) foi publicada anteontem no El País; d) foi nesse dia, porque assinalava o décimo aniversário da morte do escritor; e) a entrevista é com David Foster Wallace.

Sei que repeti uma das alíneas, foi de propósito. Como também devo sublinhar que foi conduzida pelo escritor e tradutor espanhol Eduardo Lago. A conversa é um mergulho num dos universos mais originais da literatura americana contemporânea, tanto na ficção como na não-ficção.

Quem a ler vai ter vontade de ler Wallace. E isso, chega e sobra, vale mais que um desejo de bom dia e de um aviso de que amanhã é sábado, logo há Expresso nas bancas.

Partilhe esta edição