Siga-nos

Perfil

Expresso

Gente

Michael Jackson: um ano depois

A imagem do rei da pop vende e emociona. Um ano depois da morte de Michael Jackson preparam-se homenagens por todo o mundo.

Sofia Simões de Almeida (www.expresso.pt)

Um ano passado sobre a morte de Michael Jackson a imagem do ícone pop está reabilitada. As dívidas deram lugar ao lucro. A figura bizarra foi esquecida. Quando se preparam tributos de Los Angeles a Tóquio, só falta resolver o mistério à volta da sua morte.

"Agora Michael faz parte da História" resume assim Marc Shaffel, produtor da estrela pop, o ano passado sobre a sua morte, em declarações à revista Time. Já ninguém fala das alegadas operações plásticas, do espírito de reclusão, nem se lembram das acusações de pedofilia. Tudo parece esquecido, o que contribui para a rentabilização da imagem de Michael Jackson. "Há uma expressão para isso: na morte, tudo é perdoado. Ou, pelo menos, esquecido", explica Shaffel.

O património da estrela pop está agora estimado em 250 milhões de dólares, segundo a Associated Press. A Sony Music, no último ano, vendeu 31 milhões de álbuns do ícone. Um novo documentário "Michael Jackson: Inside His Privete World" com imagens de 2003, não autorizado pela família, estreia amanhã em Tóquio em 200 salas: os bilhetes estão esgotados para as primeiras duas semanas.

A estrela morreu três semanas antes de se apresentar novamente ao público em concerto, depois de nove anos de ausência. "This is it" seria um ciclo de 50 concertos, em Londres, a ter início a 13 de Julho de 2009. No entanto, em Outubro do mesmo ano, dá-se o lançamento de um documentário, com o mesmo nome, com imagens dos ensaios. Inicialmente, foi dito que o filme estaria no cinema apenas por duas semanas, mas a procura acabou por prolongar o tempo do documentário nas salas. Era o primeiro sinal da rentabilidade do ícone.

Um ano passado, está ainda por resolver o processo de acusação ao médico de Jackson. Conrad Murray é indiciado de homicídio involuntário. Propofol, um anestésico de uso hospitalar receitado por Murray, terá estado na origem da morte da estrela pop. A 23 de Agosto, o médico será presente a uma audiência preliminar para decidir se o caso segue para julgamento.

Um pouco por todo o mundo, preparam-se homenagens. A família deverá reunir-se em Indiana, estado de origem do cantor, para uma vigília e inauguração de um monumento. Os fãs americanos mais ferverosos deverão rumar ao cemitério onde está a estrela, em Forrest Lawn, Los Angeles. No Japão, cinquenta pessoas pagaram mil dólares para passar uma noite na Neverland Collection - única exposição oficial sobre a estrela.

Em declarações à revista Time, Joe Jackson, pai de Michael, resume o sentimento que se sente entre os fãs da estrela: "Gostaria de ver o Dia de Michael Jackson em todo o mundo".