Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pró-russos do Harmonia vencem eleições na Letónia

A coligação liderada pela primeira-ministra da Letónia, Laimdota Straujuma, perdeu as eleições deste sábado

Ints Kalnins/Reuters

O parlamento eleito deverá formar novo executivo que substituirá o governo de coligação liderado pela primeira-ministra Laimdota Straujuma.

LUSA

O partido letão pró-russo Harmonia venceu as eleições legislativas de sábado na Letónia, tendo-se tornado na força mais votada, ao conquistar 25,38% dos votos e mais de metade dos assentos parlamentares do país.  

Os primeiros resultados oficiais, publicados pelo Comité Eleitoral Central (CEC) letão, deitaram por terra as sondagens realizadas após o fecho das urnas, que apontavam para uma vitória da coligação de centro-direita liderada pela primeira-ministra da Letónia, Laimdota Straujuma.    

Após a contagem dos votos em 614 assembleias dos 1054 colégios eleitorais, a formação de centro-direita que governa a Letónia, Unidade, passou a terceira força no país, tendo obtido 19,96% dos votos, depois da formação Unidade dos Verdes e Camponeses, com 20,45%.

O partido letão Harmonia representa a numerosa minoria russa do Estado do Báltico, é liderado pelo presidente da câmara municipal de Riga, Nil Ushakov, e um estudo de opinião, realizado na semana que antecedeu as eleições, atribuía-lhe 18,4% dos votos, seguido da conservadora Unidade (11,8%), que lidera a atual coligação governamental.

Nas últimas legislativas de setembro de 2011, o então designado "Centro Harmonia" de Ushakov também garantiu a primeira posição com 28% dos votos, elegendo 31 dos 100 deputados para o Saeima (parlamento), mas sem conseguir formar governo.  

O parlamento eleito deve formar um novo executivo que vai substituir o governo de coligação anunciado há nove meses, liderado pela primeira-ministra Laimdota Straujuma, a primeira mulher a assumir estas funções no pequeno país báltico.     

No início de janeiro, a Letónia tornou-se no 18.º membro da zona euro, o que suscitou uma profunda divisão no país.