Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Humorista egípcio detido por 'brincar' com o Presidente

Bassem Youssef foi libertado sob uma fiança, depois de ser interrogado por alegamente ter insultado o presidente Mohamed Morsi e o Islão. Egípcos temem o aumento da repressão.

Liliana Coelho, com agências

O comediante egípcio Bassem Youssef foi hoje alvo de um mandato de detenção, tendo sido interrogado sob a acusações de ter insultado o Presidente Mohamed Morsi e o Islão.

Segundo a Reuters, o humorista respondeu às questões e foi libertado sob fiança no valor de 12 mil libras egípcias (1716 euros). Esta situação aumentou os receios de uma maior repressão por parte do regime de Morsi, sobretudo, com os seus críticos.

No exterior do tribunal, juntaram-se vários apoiantes de Bassem Youssef, que exibiam cartazes e gritavama exigir a libertação do comediante.

"É uma tentativa de restringir ainda mais o espaço para as críticas", afirmou Heba Morayef, diretora da Human Rights Watch, no Egito.

Bassem Youssef é um popular comediante no Egito, que tem um programa semelhante ao "Daily Show", do humorista Jon Stewart, que é visto por mais de 30 milhões de espectadores no Médio Oriente. 

No seu programa televisivo, o comediante usou o chapéu que o Presidente Mohamed Morsi tinha quando recebeu um título honorário no Paquistão, em março.

Em 2012, numa das rábulas do programa, Bassem Youssef cantou uma música de amor para uma almofada encarnada com a fotografia do presidente, satirizando uso constante da palavra "amor" por Mohamed Morsi.

Mais ordens de prisão

O interrogatório a Bassem Youssef ocorre depois de o procurador-geral ter emitido ordens de prisão contra cinco ativistas políticos acusados de apelar à violência contra a Irmandade Muçulmana. A população teme que a liberdade de expressão seja cada vez mais restringida e que aumente a repressão do regime pós-Mubarak.

Em junho de 2012, Mohamed Morsi assumiu o cargo de Presidente do Egito, depois de Hosni Moubarak ter sido destituído por uma revolta no ano anterior.