Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Eleições legislativas na Guiné Conacri em clima de tensão

Mais de uma centena de observadores da União Europeia e da União Africana vão supervisionar o escrutínio.

Lusa

Mais de 5 milhões de eleitores da Guiné-Conacri são chamados a votar hoje em eleições legislativas, que decorrem num contexto de tensão política, rivalidades étnicas e rumores de golpe de Estado, depois de sucessivamente adiadas.

"O objetivo destas eleições é sair da transição" iniciada em dezembro de 2008, após a morte de Lansana Conté, Presidente do país durante quase 24 anos, resumiu o analista guineense Mamadou Aliou Barry.

Após dois anos de transição caótica, sob domínio militar, o opositor histórico Alpha Condé tornou-se, em finais de 2010, o primeiro Presidente eleito democraticamente neste país de 11 milhões de habitantes, com uma história marcada pela violência política, militar e étnica desde a independência de França em 1958.

Condé, chefe do Movimento do Povo Guineense, bateu na segunda volta das eleições Cellou Dalein Diallo, chefe da União das Forças Democráticas da Guiné, que se tornou o seu principal opositor.

As legislativas deveriam ter lugar nos seis meses a seguir à investidura do novo Chefe de Estado, em dezembro de 2010, mas foram sucessivamente adiadas, com acusações de manipulação dos ficheiros eleitorais e com a Comissão Eleitoral a ser contestada.

No total, 1.714 candidatos, distribuídos por cerca de 30 listas, disputam 114 lugares, mas no essencial a contenda resume-se a um confronto entre as duas forças que apoiaram os principais candidatos presidenciais em 2010.

Mais de uma centena de observadores da União Europeia (UE) e da União Africana (UA) vão supervisionar a votação. Os resultados eleitorais devem ser anunciados pela Comissão Eleitoral nas 72 horas seguintes.

Primeiro exportador mundial de bauxite, a Guiné-Conacri possui jazidas de ferro, ouro, diamante e petróleo, mas apesar dos recursos naturais a grande maioria dos seus habitantes vive abaixo do limiar da pobreza, segundo as Nações Unidas.