Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

CPLP vai ajudar Guiné-Equatorial a "assimilar valores"

A língua portuguesa e os direitos humanos são dois dos valores da comunidade, segundo o secretário-executivo da organização. Foi em julho que a Guiné-Equatorial aderiu formalmente à CPLP.

A Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) vai acompanhar a Guiné Equatorial para que este novo Estado-membro possa "rapidamente assimilar os valores" da comunidade, ao nível do português e dos direitos humanos, garantiu o secretário-executivo da organização.  

A Guiné Equatorial aderiu formalmente ao bloco lusófono em julho, na cimeira de Díli, durante a qual "houve uma recomendação de que seria importante que a CPLP apoiasse a Guiné Equatorial na sua integração, aconselhando - não é monitorizar -, fazendo uma assistência para que eles possam rapidamente assimilar aqueles aspetos fundamentais que constituem os princípios e valores", referiu o responsável, Murade Murargy, em entrevista à Lusa. 

Uma recomendação feita por iniciativa de Portugal e que o secretário-executivo recusou apelidar de "exigências". A entrada do país presidido por Teodoro Obiang desde 1979 havia sido condicionada nos últimos anos ao cumprimento de um roteiro que incluía a abolição da pena de morte e a adoção do português como língua oficial - o espanhol é a língua mais falada.  

Murade Murargy salientou alguns avanços já anunciados pelo regime de Obiang, nomeadamente a legalização dos partidos e a realização de um diálogo com todas as forças políticas. 

 

"Nem todos falam português"

Na cimeira, foi realçada a ideia de que a Guiné Equatorial "é membro" da CPLP, mas "não está totalmente integrada", disse. O secretário-executivo exemplificou com a questão da língua: "Nem todos falam português. Estamos todos em integração. Em Angola, Moçambique, o analfabetismo é enorme. Em Timor-Leste ainda é mais gritante". O português - que "é de todos e não só de Portugal" - é a "pedra angular" da comunidade. "Os estatutos falam nisso: todos os países que adotarem a língua portuguesa podem integrar-se na CPLP", referiu. 

Na abertura da cimeira de Díli, o Presidente equato-guineense, Teodoro Obiang, foi chamado para o palco, onde já se encontravam os chefes de Estado dos restantes países da CPLP. Questionado sobre se houve uma falha protocolar, Murargy negou.

"O país anfitrião tem toda a liberdade de convidar e colocar um chefe de Estado onde entender. Não vejo nenhum inconveniente ele [Obiang] estar ali sentado. Se viesse outro chefe de Estado, teria acontecido o mesmo. Protocolarmente, é uma questão de cortesia do Estado anfitrião", considerou.

Já sobre o facto de, naquele momento, a Guiné Equatorial ter sido anunciada como "novo membro" da comunidade, ainda antes da reunião em que os oito chefes de Estado e de Governo iriam aprovar a entrada do nono membro, o secretário-executivo disse ter-se tratado de uma "'gaffezinha' do protocolo", que classificou de "lamentável".

Na próxima semana, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos Estados da CPLP reúnem-se em Nova Iorque, à margem da assembleia-geral das Nações Unidas, e que contará já com a presença do chefe da diplomacia equato-guineense.