Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bersani fracassa tentativa de formar Governo

Impasse político em Itália está agora nas mãos do Presidente, a quem Bersani (na foto) já comunicou o fracasso das negociações com os outros partidos

Tony Gentile/Reuters

Depois de falharem as negociações com as outras forças políticas, com vista à formação de um Governo de coligação, o líder do centro-esquerda já ocomunicou ao Presidente italiano. O impasse não tem ainda fim à vista.

Mafalda Ganhão, com Lusa

Luigi Bersani, líder do Partido Democrático italiano (PD, centro-esquerda) conclui hoje, sem êxito, a ronda de consultas com vista à formação de um Governo de coligação. Apesar do apelo de última hora feito pelo seu partido às outras forças políticas, Bersani acabou por ter de comunicar o fracasso ao Presidente Giorgio Napolitano.

"As discussões [com as restantes formações politicas] não resultaram", declarou Bersani aos jornalistas, após o encontro. "Relatei ao Presidente das dificuldades provenientes de entraves e condições inaceitáveis" durante as conversações com as restantes formações políticas, precisou.

No entanto, e através de um comunicado, o Partido Democrático anunciou ao início da noite que o seu líder "não renunciou" à tarefa que lhe confiou o Presidente.

A reunião entre Bersani e Giorgio Napolitano decorreu ao final da tarde de hoje, em Roma, ficando agora nas mãos do Presidente italiano a responsabilidade de procurar outras soluções, que ponham fim ao impasse provocado pelo resultado das eleições de fevereiro. Segundo referiu um porta-voz, Giorgio Napolitano vai iniciar "diretamente as suas próprias consultas".

Bersani, que tem maioria absoluta na Câmara dos Deputados mas não no Senado, viu recusado o pedido de apoio para a posse de um seu Governo, entre outros, pelo movimento do humorista Beppe Grillo, que se diz unicamente disposto a acordos com os outros partidos lei a lei.

Grillo defende que parlamento atue, mesmo sem Governo

O líder do Movimento 5 Estrelas propôs entretanto que, perante o bloqueio, o parlamento de Itália realize a sua ação legislativa mesmo sem um novo Governo.

Numa entrada publicada hoje no seu blogue, Grillo defende que seja devolvida ao parlamento a centralidade da vida da República, uma vez que, sustenta, Itália não está sem Governo porque o executivo de Mario Monti continua em funções.

"Se Itália está sem Governo (na verdade está em funções o Governo Monti) tem, no entanto, um parlamento que pode trabalhar desde já para mudar o país. Não é necessário um Governo para uma nova lei eleitoral ou para iniciar medidas urgentes para as pequenas e médias empresas ou para os cortes nas províncias", escreveu Grillo.