Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Encontrada segunda caixa negra do voo indonésio cuja queda matou todas as 189 pessoas a bordo

REUTERS/Beawiharta

O porta-voz da Marinha indonésia informou que o dispositivo foi encontrado a oito metros de profundidade, debaixo de lama, no fundo do mar. O avião despenhou-se no mar em outubro poucos minutos depois de ter descolado. O piloto tinha pedido autorização ao controlo de tráfego aéreo para regressar ao aeroporto mas o contacto foi perdido

Mergulhadores da Marinha indonésia encontraram esta segunda-feira a segunda caixa negra do voo da Lion Air que caiu na costa de Jacarta em outubro, matando todas as 189 pessoas a bordo.

O voo JT610 despenhou-se no mar poucos minutos depois de ter descolado para a curta viagem em direção à cidade indonésia de Pangkal Pinang. O piloto tinha pedido autorização ao controlo de tráfego aéreo para regressar ao aeroporto mas o contacto foi perdido.

Segundo os investigadores, o piloto estava com problemas técnicos. A estrutura principal do avião nunca foi encontrada.

A comissão de segurança de transporte da Indonésia (KNKT) sugere que a Lion Air voltou a pôr a aeronave em funcionamento apesar dos problemas reportados em voos anteriores. O vice-chefe da KNKT, Haryo Satmiko, confirmou à agência Reuters que a segunda caixa negra foi encontrada.

Conclusões poderão demorar mais meio ano

O porta-voz da Marinha indonésia, Agung Nugroho, também citado pela Reuters, informou que o dispositivo foi encontrado a oito metros de profundidade, debaixo de lama, no fundo do mar. A caixa negra emitia um sinal fraco que tinha sido detetado há “vários dias”.

Além dos “óbvios arranhões” que apresenta, não é claro se esta segunda caixa está danificada. A primeira caixa negra foi encontrada em novembro, enterrada no meio de destroços no fundo do mar de Java.

A escuta das últimas conversas entre os pilotos e a estação de controlo ajudará os investigadores a perceber o que aconteceu de errado no voo. No entanto, a análise dos dados poderá durar até seis meses, alertam os investigadores.