Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sondagem revela maior apoio à permanência do Reino Unido na UE

OLIVIER HOSLET/EPA

Os dados revelam uma menor diferença entre as duas opções, mas também as mesmas opiniões por parte dos conservadores pró-europeus e mais dúvidas do lado dos defensores do Brexit

A mais recente sondagem do YouGov revela um maior apoio dos britânicos à permanência do Reino Unido na União Europeia (UE). Segundo o inquérito divulgado pelo “Guardian” – com base em 5043 entrevistas realizadas entre 12 e 14 de dezembro –, 1942 inquiridos manifestaram-se contra o Brexit, contra 2078 que se mostraram a favor da saída do país do bloco.

Os dados revelam uma menor diferença entre as duas opções, mas também as mesmas opiniões por parte dos conservadores pró-europeus e mais dúvidas do lado dos defensores do Brexit.

Do total de mais de 17 milhões de pessoas que votaram a favor do Brexit, apenas 10 milhões afirmam que votariam agora a favor do acordo alcançado pelo Governo de Theresa May. Dois milhões revelam que iriam a votar para o Reino Unido ficar na UE, enquanto três milhões dizem que não têm a certeza ou que não iriam votar, escreve o “Guardian.”

Por outro lado, dos 16 milhões de britânicos que votaram para o Reino Unido ficar no bloco, 13,5% milhões afirmam que continuaram a votar para o país permanecer na UE. Sobre o plano negociado pelo governo britânico, que ainda não foi submetido pela primeira-ministra para a votação no Parlamento, apenas 1,4 milhões disseram que iriam votar a favor do acordo.

Se em setembro, os dados de outra sondagem mostravam que 43% dos eleitores que votaram a favor do Brexit acreditavam que a saída do Reino Unido da União tornariam a economia do país mais forte, enquanto só 12% manifestavam receios em relação ao futuro económico, este último inquérito denota menos certezas a esse nível. Apenas 24% dos britânicos que votaram contra a permanência do Reino Unido na UE disseram acreditar que a economia do país se tornaria mais robusta, contra 26% que projetaram o cenário inverso, sublinha o diário.

Numa altura de impasse no Reino Unido, a primeira-ministra britânica está a ser alvo de fortes críticas pelo facto de não submeter já a votação para o acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, quando aumentam as vozes de apoio à realização de um segundo referendo sobre o Brexit.

Ainda na última sexta-feira, o antigo chefe do Governo britânico, Tony Blair, defendeu o adiamento do Brexit e a realização de uma segunda consulta popular numa mensagem dirigida aos líderes europeus numa cimeira em Bruxelas,

  • Bruxelas anuncia medidas para lidar com “catástrofe” de uma saída sem acordo

    A 100 dias da saída do Reino Unido da UE, a Comissão Europeia elencou uma série de medidas capazes de assegurar alguma continuidade. São medidas que pretendem acautelar danos numa assumida gestão dos inevitáveis prejuízos de uma saída sem acordo. Este cenário não está de todo afastado, dada “a contínua incerteza” nas ilhas britânicas, ao ponto de haver já quem pense em armazenar comida e medicamentos