Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Manafort utilizou “mentiras discerníveis” já depois de ter aceitado colaborar com Mueller na investigação ao alegado conluio com russos

Chip Somodevilla/Getty

Já depois de ter dito ao investigador especial Robert Mueller que aceitaria ser testemunha na sua investigação ao alegado conluio da equipa de Trump com os russos, Paul Manafort, ex-diretor de campanha do atual presidente dos Estados Unidos, voltou a mentir

Paul Manafort, o homem que chegou a gerir toda a estratégia eleitoral de Donald Trump, mentiu aos investigadores federais sobre os seus contactos com a Casa Branca e com pessoas ligadas aos serviços de informações russos já quando estava sob investigação. É isto que vem escrito num despacho enviado ao juiz do tribunal de Washington por Robert Mueller, o procurador especial que investiga as suspeitas de que membros da equipa de Trump possam ter mantido contactos com pessoas próximas do Kremlin de forma a tentar “virar” a eleição de 2016 para o lado de Trump.

No mês passado, o tribunal tinha pedido mais informação a Mueller que justificasse a acusação da sua equipa de que Manafort tinha mentido sob juramento, já depois de ter concordado não mentir para que a sua pena fosse atenuada. “Nas suas entrevistas com o procurador-especial e com o FBI, Manafort contou várias mentiras discerníveis, não foram lapsos de memória”, lê-se na justificação enviada agora ao tribunal, citada pela agência de notícias “Reuters”. Manafort tinha sido condenado, na Virgínia, por crimes financeiros, mas pediu um acordo a Mueller para evitar um outro julgamento e prometeu cooperar com a investigação.

Manafort terá, então, mentido, no entender da equipa de Mueller, sobre as suas conversas com o consultor político russo-ucraniano Konstantin Kilimnik, que Mueller acredita ser próximo das secretas russas, sobre as tentativas de Kilimnik em influenciar testemunhas neste caso e sobre os contactos que manteve com membros da Administração de Trump durante a investigação, já em 2018.

Os advogados de Manafort dizem que ele nunca mentiu deliberadamente.