Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Coletes amarelos. Em Bruxelas, polícia faz 70 detenções e fecha quarteirão da UE

A polícia belga procedeu hoje de manhã a cerca de 70 detenções em Bruxelas, palco de uma nova manifestação ilegal de "coletes amarelos" que motiva um forte dispositivo de segurança, designadamente no "quarteirão da União Europeia"

A polícia belga procedeu hoje de manhã a cerca de 70 detenções em Bruxelas, palco de uma nova manifestação ilegal de "coletes amarelos" que motiva um forte dispositivo de segurança, designadamente no "quarteirão da União Europeia".

As detenções ocorreram durante controlos feitos de forma "preventiva", sobretudo nas estações ferroviárias de Midi e Gare Central -- onde chegam muitos dos "coletes amarelos" vindos de outras localidades belgas --, não se tendo ainda registado incidentes violentos, indicou uma porta-voz da polícia de Bruxelas.

Convocada nas redes sociais, a manifestação de "coletes amarelos" tem contornos ainda indefinidos, até para a própria polícia, que não conseguiu estabelecer canais de comunicação com os organizadores da concentração, mas decidiu montar um forte dispositivo de segurança em vários pontos da cidade, e sobretudo em torno das instituições da UE, em virtude de várias convocatórias apontarem para um "protesto europeu" na rotunda de Schuman.

O quarteirão de Schuman, onde se encontram as sedes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, tem um forte cordão de segurança em seu redor, com barreiras com arame farpado e a polícia a "filtrar" todas as pessoas, incluindo residentes, que queiram entrar no alargado perímetro de segurança, pedindo-lhes identificação e revistando-as, verificou a agência Lusa no local.

Ao final da manhã, sensivelmente à hora a que estava previsto o início da concentração, grupos de "coletes amarelos" tentam chegar à rotunda de Schuman, tanto pela avenida principal como por ruas secundárias, mas todos os acessos encontram-se bloqueados pela polícia, enquanto helicópteros sobrevoam a zona.

Esta nova ação de "coletes amarelos" na capital da Bélgica e da União Europeia - que não foi autorizada, até porque não chegou qualquer pedido formal -- ocorre paralelamente a um novo grande protesto que decorre em Paris, e pouco mais de uma semana depois de uma primeira manifestação em Bruxelas a "replicar" aquelas que decorrem há já mais de três semanas em França, e que ficou marcada por desacatos.

Relativamente a esse protesto de 30 de novembro passado, a polícia belga decidiu duplicar o número de efetivos que estarão nas ruas, contando hoje com 840 polícias, denominados 'robocops' -- por estarem equipados com material anti-motim -, quase uma centena de agentes à civil, todos os canhões de água disponíveis e até a cavalaria.