Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Mas, Sr. Presidente, não podemos fazer isso dessa forma, isso seria uma violação da lei”. Rex Tillerson quebra silêncio sobre Trump

Cheriss May

O chefe da diplomacia norte-americana saiu da administração Trump precisamente por discordar da abordagem do presidente dos Estados Unidos em questões de política externa. Numa angariação de fundos solidária, o antigo Secretário de Estado disse que Trump por várias vezes lhe pediu que agisse contra a lei

O antigo Secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse, na quinta-feira à noite, que Donald Trump lhe pediu, por diversas vezes, para fazer coisas que seriam contra a lei caso ele tivesse aceitado fazê-las.

Há mais de meio ano que Tillerson não falava em público, mas, numa angariação de fundos para instituições de solidariedade social em Houston, no Texas, o ex-diretor executivo da Exxon Mobil quebrou o silêncio sobre aquilo que realmente foi o seu tempo à frente da política externa. “Quantas vezes o presidente me disse: ‘Olha é isto que quero que faças e é desta seguinte forma que quero que o faças’ e eu dizia: ‘Sr. Presidente eu entendo o que pretende mas não podemos fazer isso dessa forma, isso é uma violação da lei’”, contou Tillerson, citado pela CNBC, sem nunca especificar quais os pedidos potencialmente ilegais colocados por Trump.

Estas “cautelas” de Tillerson, disse o próprio, provocavam em Trump “uma grande frustração”, disse o empresário. “Eu dizia assim: ‘Vamos ver o que podemos fazer’. Vamos voltar ao Congresso e mudar a lei e se isso é o que o Sr. Presidente quer fazer então não há nada de errado nisso. Estou pronto para ir defender isto ao Congresso se quiser que o faça”, explicou. Trump acabaria por abandonar as ideias mas afastou Tillerson, dizem os analistas, precisamente por ele não concretizar o que lhe era pedido. A questão do abandono do acordo nuclear com o Irão, a que Tillerson se opôs, foi particularmente difícil de ultrapassar.

Tillerson disse também ter a certeza de que a Rússia interferiu nas eleições presidenciais de 2016 - “não há ponta de dúvida nisso” - e explicou qual é, no seu entender, o plano de Vladimir Putin, presidente da Rússia: “O que a Rússia quer é diminuir a confiança que as restantes nações depositam em nós”. Quanto a Putin, é um homem “muito calculista” e “muito oportunista” que está “a tentar minar a influência dos Estados Unidos no mundo”.

Já em May, na Academia Militar da Virgínia, Tillerson tinha deixado uma crítica velado ao Presidente. “Se os nossos líderes tentam esconder a verdade ou se nós, como pessoas, nos tornamos permissivos nessa aceitação de realidades que já não são sustentadas por factos, então estaremos em breve disponíveis para abdicar da nossa liberdade”, disse na altura.