Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ébola. 271 mortos e 458 casos de contágio na República Democrática do Congo

JUNIOR D. KANNAH/GETTY

A Organização Mundial de Saúde diz que o surto de ébola na República Democrática do Congo é o segundo maior da história, logo depois do surto na África Ocidental, que matou milhares de pessoas há alguns anos

O número de casos de ébola nas províncias de Kivu do Norte e Ituri, leste da República Democrática do Congo (RDC), subiu para 458 pessoas infetadas e 271 mortos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a atualização de 6 de dezembro da OMS, em 11 províncias de Kivu do Norte e três na província de Ituri foram notificados 458 casos (410 confirmados e 48 prováveis) e 271 mortos.

O registo de casos de contaminação do ébola, que se transmite por contacto físico através de fluidos corporais infetados e que provoca febre hemorrágica, sofreu um aumento de 38 novos casos e 29 mortos, a partir de 4 de dezembro.

Em 29 de novembro, a OMS anunciou que o surto de ébola na RDC é o segundo maior da história, logo depois do surto na África Ocidental, que matou milhares de pessoas há alguns anos.

A epidemia do vírus ébola no país africano foi declarada a 1 de agosto deste ano, em Mangina, nas províncias de Kivu Norte e Ituri.

O vírus alastrou já até perto da fronteira com o Uganda, país que, para prevenir, realizou um programa de vacinação de funcionários na fronteira com a RDC, atravessada diariamente por centenas de pessoas, num trânsito normal.

Até 4 de novembro, 26.687 pessoas, 7006 crianças, foram vacinadas na RDC, incluindo 9105 elementos de organizações de socorro, governamentais e não-governamentais.

Nos últimos meses, a ONU inquietou-se com o risco de propagação da epidemia ao Burundi, Uganda, Ruanda e Sudão do Sul.

Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, de 30 de outubro, instou estes países africanos a reforçarem as capacidades operacionais para lutar contra a doença, em total cooperação com a OMS.

Proposta pela Suécia, a resolução, aprovada pela unanimidade dos 15 Estados-membros, reconheceu o perigo de saúde regional do vírus de ébola na RDC.

A epidemia de ébola é já a maior da história na RDC relativamente ao número de contágios, assumiu o Governo.

Segundo o ministro da Saúde da RDC, Oly Ilunga Kalenga, a presente epidemia ultrapassou em casos e mortos a primeira no país, registada em 1976.

Posteriormente, a RDC foi atingida mais oito vezes por uma epidemia de ébola.

Em 1995, o vírus do ébola, que se transmite por contacto físico através de fluidos corporais infetados e que provoca febre hemorrágica, provocou a morte a 250 pessoas na cidade de Kikwit, na província de Kwilu, no sudoeste da RDC.