Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Lego doa cem milhões para criar 'centros de jogos (ou brincadeira)' para crianças sírias refugiadas

VCG/Getty

É o prolongamento de uma experiência já antes iniciada no Bangladesh com crianças rohingya que lá se encontram

Luís M. Faria

Jornalista

A Lego vai colaborar com a Sesame Street para criar um programa de apoio a crianças refugiadas da Síria. É um prolongamento da colaboração que já tem há dois anos com a BRAC, uma instituição que se ocupa de crianças marginalizadas no Bangladesh. Tal como nesse caso - onde estão em causa refugiados rohingya - o objetivo é o de criar "centros de jogos (ou brincadeira, outro sentido da palavra 'play')" para ajudar crianças a superar os traumas e irem em frente com as suas vidas.

"Brincar é essencial para o desenvolvimento saudável de uma criança e promove a curiosidade natural de aprender através de interações cativantes com adultos carinhosos", disse à CNN a presidente de filantropia na Sesame Workshop.

Uma responsável da BRAC, por sua vez, disse que o modelo "assenta na ideia de que brincar cura e ajuda as crianças a aprender". Além de letras e números, os conteúdos abordarão a aprendizagem social e emocional, para tentar compensar o que as crianças perderam.

Graças a uma doação de cem milhões de euros da Fundação Lego, mais 500 'play centers', além dos 240 que já existem no Bangladesh e em alguns países africanos, vão agora ser criados no Líbano, no Iraque e na Jordânia, países que têm recebido grande número de refugiados sírios.

Uma responsável por educação no Comité Internacional de Resgate, Sarah Smith, uma entidade criada para ajudar refugiados e reconstruir zonas de guerra, diz: "Sabemos por investigações sobre o desenvolvimento que a melhor forma de as crianças aprenderem é explorando o seu mundo e brincando".

O líder executivo da Fundação Lego reforça a mensagem, notando que experiências traumáticas no início da vida afetam negativamente o desenvolvimento da arquitetura do cérebro, que fornece a base para toda a futura aprendizagem, comportamento e saúde".