Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA preparam-se para enviar navio de guerra para o Mar Negro em resposta à detenção russa de navios e marinheiros ucranianos

TASS/Getty Images

O anúncio do possível envio surge depois de o Ministério russo dos Negócios Estrangeiros ter acusado Kiev de levar a cabo “preparações ativas” para uma ofensiva contra a Rússia na parte oriental da península ucraniana. No dia 25 de novembro, guardas de fronteira russos capturaram três navios da Marinha da Ucrânia e 24 marinheiros no Estreito de Kerch

Os EUA preparam-se para enviar um navio de guerra para o Mar Negro em resposta à detenção russa de navios e marinheiros ucranianos. Segundo a CNN, o Pentágono pediu ao Departamento de Estado que informasse o Governo turco sobre os planos americanos para enviar o navio para as águas disputadas, sublinhando que se trata de uma resposta à agressão de Moscovo à Ucrânia.

No dia 25 de novembro, guardas de fronteira russos capturaram três navios da Marinha da Ucrânia e 24 marinheiros no Estreito de Kerch, que liga o Mar Negro e o Mar de Azov.

O anúncio do possível envio de um navio de guerra surge depois de o Ministério russo dos Negócios Estrangeiros ter acusado Kiev de levar a cabo “preparações ativas” para uma ofensiva contra a Rússia na parte oriental da península ucraniana. O Ministério indicou que a recente instauração da lei marcial em partes da Ucrânia tem sido usada como cobertura para esses preparativos.

Confrontos militares entre Rússia, EUA e Ucrânia podem estar em perspetiva

Se Washington enviar efetivamente um navio de guerra para o Mar Negro, a medida fará aumentar drasticamente a possibilidade de interações militares entre a Rússia, os EUA e a Ucrânia. Washington apoiou Kiev na sequência da anexação da Crimeia pela Rússia em 2014.

O Departamento de Estado norte-americano deve notificar Ancara antes de um navio de guerra poder passar pelos estreitos de acordo com a Convenção de Montreux, que foi ratificada em 1936 e governa o movimento de embarcações militares através dos estreitos turcos de Dardanelos e Bósforo, que permitem as ligações entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Negro.

Em declarações à CNN, um porta-voz do Departamento de Estado indicou que “os Estados Unidos realizam as suas atividades respeitando os termos da Convenção de Montreux”, recusando-se, contudo, a “comentar a natureza da correspondência diplomática com o Governo da Turquia”.