Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Austrália. Tribunal decide a favor de ex-arcebispo católico considerado culpado por encobrir abuso sexual de crianças

EPA

O tribunal diz haver dúvidas fundadas de que Philip Wilson, que apresentou recurso, tenha cometido o crime de ocultar o abuso de rapazes acólitos pelo padre James Fletcher na década de 1970. Durante o julgamento, Wilson negou saber dos abusos mas o tribunal deliberou que Wilson tinha sido alertado pelas vítimas e não denunciou Fletcher

Um tribunal de Nova Gales do Sul, na Austrália, decidiu esta quinta-feira a favor do antigo arcebispo católico de Adelaide, Philip Wilson, considerado culpado por encobrir o abuso sexual de crianças pelo padre James Fletcher na década de 1970. Segundo o tribunal, há dúvidas fundadas de que o clérigo, que apresentou recurso, tenha cometido o crime.

Com 68 anos, Wilson é o dirigente católico mais graduado do mundo a ser condenado por este crime. Foi sentenciado a prisão domiciliária sob a custódia da sua irmã.

Durante o julgamento, Wilson negou saber que o padre James Fletcher tinha abusado de rapazes acólitos. No entanto, em maio, o tribunal deliberou que Wilson tinha sido alertado para o abuso por parte das vítimas mas não o denunciou. Fletcher foi condenado em nove casos de abuso sexual de crianças em 2004, tendo morrido na prisão dois anos depois.

Sem “remorso” nem “contrição”

O magistrado Robert Stone considerou que Wilson permaneceu em silêncio com o desejo de proteger a reputação da Igreja. Em julho, ordenou que Wilson fosse avaliado para prisão domiciliária, referindo que o ex-arcebispo não mostrou “remorso ou contrição” durante o julgamento.

Philip Wilson renunciou ao cargo de arcebispo dias depois de o então primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull ter pedido que ele fosse demitido pelo Papa Francisco. Wilson continua a ser um bispo ordenado mas não tem papel oficial.