Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Giuliani acusa o Twitter de conspirar contra ele, mas quem fez a asneira foi ele próprio

Giuliani, o homem da frase do momento na América

getty

O antigo chefe de cibersegurança da administração Trump, pelos vistos, não sabia como certos links são criados automaticamente

Luís M. Faria

Jornalista

Rudy Giuliani, cuja performance extraordinária aquando dos atentados terroristas de 11 de setembro lhe VALEU a alcunha de "mayor da América", tem visto a sua imagem mudar desde essa altura. Em parte por ter criado uma firma quer trabalha para ditaduras pelo mundo fora, em parte por ser um dos maiores apoiantes (e o advogado pessoal) de Donald Trump, e em parte por ter passado a promover teorias da conspiração que ecoam as do próprio presidente. A última foi agora quando ele acusou o Twitter de "ter permitido a alguém invadir o meu texto com uma repugnante mensagem anti-presidente".

Giuliani tinha publicado um tweet a acusar Robert Mueller, o procurador especial que investiga as relações da Rússia com a campanha presidencial de Trump em 2016, de acusar gente próxima do presidente em momentos calculados para infligir embaraço internacional - em vésperas de o Presidente partir para a cimeira do G20 na semana passada, e em julho quando ele foi a outra cimeira internacional. O tweet dizia:

Mueller filed an indictment just as the President left for the G20.In July he indicted the Russians who will never come here just before he left for Helsinki.Either could have been done earlier or later. Out of control!Supervision please?

— Rudy Giuliani (@RudyGiuliani) November 30, 2018

Acontece que, ao esquecer-se de deixar um espaço entre "G20" e "In", Giuliani criou automaticamente um link de hipertexto sem reparar. E o domínio "G20.In", por acaso, já existia. Um opositor de Trump chamado Jason Velazquez reparou e decidiu comprar o domínio, o que lhe custou uns meros cinco dólares. A seguir colocou lá a mensagem, "Donald J. Trump é um traidor do nosso país".

Tudo levou uns meros 15 minutos a fazer, e devia ter sido esquecido rapidamente, não fosse a reação de Giuliani. O Twitter rapidamente esclareceu que é "completamente falsa" a acusação de que "teríamos inserido artificalmente alguma coisa num tweet". E houve quem lembrasse que o primeiro cargo de Giuliani na administração Trump foi chefe da cibersegurança...

Giuliani notou que entre "Helsinki." e "Either" também faltava um ponto, e nem por isso surgiu um link. Mas a diferença é fácil de explicar: o domínio "Helsinki.Either", ao contrário de "G20.In", não existia previamente.